Jato decolou e voou com spoilers abertos em uma só asa até cair, mostraram vídeos

Imagem: CIAA

Em 15 de dezembro de 2021, aproximadamente às 17h25, horário local, um grande jato executivo Gulfstream Aerospace GIV-SP, registrado sob a matrícula HI-1050, de propriedade da empresa Helidosa Aviation Group e operado sob o Regulamento Aeronáutico Dominicano 135 (RAD 135), impactou o terreno e foi destruído durante uma tentativa de pouso no Aeroporto Internacional Las Américas (MDSD), em Santo Domingo, República Dominicana.

Os dois pilotos, a comissária de bordo e os seis passageiros faleceram no acidente, que aconteceu poucos minutos depois da decolagem, feita de outro aeroporto na mesma cidade.

Agora, a Comissão Investigadora de Acidentes de Aviação (CIAA) da República Dominicana apresenta seu relatório preliminar sobre o que já foi descoberto neste caso.

Naquele dia, prevaleceram as condições meteorológicas visuais e foi apresentado um plano de voo por instrumentos para um voo internacional de passageiros não programado, que partiu do Aeroporto Internacional La Isabela (MDJB), também em Santo Domingo, por volta das 17h09, hora local, com destino ao Aeroporto Internacional de Orlando (KMCO), em Orlando, Flórida, Estados Unidos da América.

Na manhã do dia do acidente, o avião havia feito seu primeiro voo partindo do Aeroporto Internacional Luis Muñoz Marín (TJSJ), em San Juan, Porto Rico, para o Aeroporto Internacional La Isabela (MDJB).

Houve comunicação entre a tripulação e a empresa de que os atuadores do spoiler da asa direita seriam substituídos quando o avião chegasse ao MDJB (spoilers são superfícies que se levantam na parte de cima da asa para gerar mais arrasto, auxiliando a reduzir a velocidade e/ou fazer curvas). Na chegada do voo, assim que os passageiros desembarcaram, um rebocador foi acoplado ao avião e este foi rebocado para um hangar de propriedade da Helidosa Aviation Group para realizar tais trabalhos de manutenção.

A aeronave estava programada para voar para o Aeroporto Internacional de Orlando (KMCO) assim que a manutenção fosse concluída.

Vídeos de câmeras de segurança do aeroporto indicaram que as ações de manutenção levaram aproximadamente três horas para serem concluídas. Durante esse período, os passageiros do voo para Orlando aguardavam no terminal VIP.

Um jato GIV sobressalente estava disponível, mas de acordo com o operador, os passageiros queriam voar nesta aeronave em particular.

O vídeo da câmera de segurança indicou que o avião ainda estava sendo trabalhado depois de ter sido retirado do hangar de manutenção, incluindo mais de cinco funcionários de manutenção sob a asa direita.

Foram capturadas imagens dos ailerons em movimento, assim como dos spoilers, que se estendiam e retraíam em ambas as asas repetidamente. Após esse processo, observou-se que o avião foi rebocado para o pátio principal, especificamente para a posição 10, com todos os spoilers em ambas as asas na posição para baixo (retraídos).

Outro vídeo da câmera de segurança do aeroporto capturou imagens dos controles de voo e spoilers do avião se movendo antes de sair do pátio principal, onde estava estacionado já após o embarque dos passageiros.

Durante este tempo, os spoilers em ambas as asas foram vistos se estenderem diversas vezes, mas apenas os spoilers na asa esquerda retornaram à posição retraída, exceto em dois casos.

Durante o taxiamento para a decolagem, o vídeo de mais uma câmera de segurança capturou outra imagem pela parte traseira do avião (imagem que ilustra esta matéria), que também indicou que todos os três spoilers da asa direita estavam estendidos e os spoilers da asa esquerda estavam retraídos.

O vídeo de segurança também mostrou que quando o avião decolou, ele o fez com a asa direita mais baixa do que a esquerda, e com os spoilers direitos ainda estendidos.

Mais tarde, uma imagem do avião capturada por uma testemunha, que estava assistindo a um jogo de beisebol, enquanto ele voava sobre o estádio Quisqueya, mostrou que os spoilers da asa direita ainda estavam estendidos, mas os da asa esquerda não.

De acordo com os dados preliminares do radar de controle de tráfego aéreo (ATC) fornecidos pelo Instituto Dominicano de Aviação Civil (IDAC), o avião partiu do MDJB por volta de 17h09 hora local, fez uma curva à esquerda de aproximadamente 180º e seguiu em direção ao Distrito Nacional. A aeronave fez então uma curva de 360º à esquerda sobre o distrito.

De acordo com gravações de áudio preliminares do ATC, nesse momento, a tripulação de voo relatou um problema hidráulico e depois relatou como um problema no aileron. A tripulação de voo declarou emergência e tentou retornar ao MDJB.

À medida que a situação avançou, a tripulação de voo solicitou uma mudança de destino e vetores de radar para MDSD. A tripulação foi liberada para pousar na pista 35 no MDSD, no entanto, a aeronave passou sobre a pista 35 em uma curva à esquerda e, em seguida, colidiu com árvores e terrenos próximos à pista.

Trajetória da aeronave envolvida no acidente – Imagem: FlirghtRadar24

Da decolagem ao impacto, todo o tempo de voo decorrido foi de aproximadamente 16 minutos.

A CIAA prosseguirá com a investigação e emitirá o relatório final com as conclusões e recomendações de segurança quando forem encerrados os trabalhos de análise dos dados dos gravadores da aeronave e das demais evidências.

Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias