KLM e Air France aumentam participação de combustível sustentável em seus voos

Boeing 787-9 da KLM – Imagem: Jeroen Stroes / CC BY 2.0, via Wikimedia Commons

A KLM anunciou que incorporará 0,5% de combustível de aviação sustentável em seus voos operados do Aeroporto de Amsterdã para estimular o mercado SAF na aviação. Segundo a empresa, embora o uso do SAF em suas operações tenha crescido, o percentual alcançado ainda não representa o valor que eles almejam, pois no momento não chega a 1% do total de combustível consumido. 

“Estamos cientes que o mix padrão de 0,5% em voos de passageiros é um passo muito pequeno, mas importante na direção certa, e esperamos que outras companhias aéreas sigam em breve. Teremos que trabalhar com todas as partes ao nosso redor e encontrar soluções e inovações sólidas para abrir ainda mais o mercado SAF”, diz o comunicado divulgado pela KLM. 

Conforme relata nosso parceiro Aviacionline, o uso do SAF não requer modificações na aeronave ou na infraestrutura de distribuição de combustível, e seu uso representa uma redução de até 80% nas emissões de CO2 em relação aos combustíveis convencionais. 

No entanto, de acordo com a companhia aérea, “os custos da variante de combustível sustentável são pelo menos quatro vezes maiores e a produção está atrasada. Ao aumentar a demanda, a KLM espera desenvolver ainda mais o mercado de SAF para que a oferta seja expandida e o combustível sustentável se torne mais barato.

A KLM está empenhada em aprofundar seus esforços para alcançar várias metas de sustentabilidade às quais aderiu, incluindo emissões líquidas zero de CO₂ até 2050, acordadas no Acordo Climático da ONU assinado em Paris.  

Para isso, lançou duas novas iniciativas: 

– SAF incluído no bilhete: a partir de 22 de janeiro, todos os bilhetes adquiridos para voos com partida de Amsterdã incluirão uma contribuição para o pagamento do SAF. O custo será entre 1 e 4 euros na classe Econômica. 

– CO₂ ZERO: O programa de compensação de emissões, focado em reflorestamento, agora agrega a possibilidade de compra de mais SAF, para reduzir a proporção de combustíveis convencionais utilizados. 

Embora incluir uma taxa adicional no bilhete possa não ser bem recebido por alguns clientes, é claro que os viajantes também fazem parte da indústria que emite dióxido de carbono no meio ambiente. A boa notícia é que, ao mesmo tempo, ganha relevância o número de passageiros, fornecedores e funcionários dispostos a se esforçar para reduzir o impacto ambiental das operações. 

Air France

A Air France, parceira da KLM, também anunciou novas medidas destinadas a promover a sustentabilidade da indústria. Entre 2005 e 2019, a companhia aérea teria reduzido suas emissões de CO₂ em 6% e agora está trabalhando para atingir 15% até 2030. 

Anualmente, a Air France investe um bilhão de euros na renovação de sua frota, mantendo em operação aviões modernos e com baixo consumo de combustível, mas isso não é suficiente, sendo preciso buscar alternativas que reduzam a poluição. 

Boeing 787-9 da Air France – Imagem: Alan Wilson / CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

Dado que a legislação francesa começa a exigir a partir deste ano a incorporação de pelo menos 1% de SAF em todos os voos com partida do país, a partir de 10 de janeiro, a Air France também incluirá uma taxa de contribuição para o “Sustainable Aviation Fuel”. 

Segundo estimativas da companhia aérea francesa pertencente ao grupo Air France-KLM, em 2022 mais de 15.000 toneladas de SAF serão integradas em suas operações, o que representa 10 vezes mais do que em 2021 e o dobro da quantidade necessária. 

Leia mais:

Juliano Gianotto
Ativo no Plane Spotting e aficionado pelo mundo aeronáutico, com ênfase em aviação militar, atualmente trabalha no ramo de fotografia profissional.

Veja outras histórias