Lançamento da certificação das empresas de ‘ground handling’ será neste mês em Brasília

Imagem: Abesata

No dia 21 de junho, acontece em Brasília o lançamento oficial do Certificado de Regularidade em Serviços Auxiliares ao Transporte Aéreo – CRES. O selo de qualidade está sendo lançado pela Abesata (Associação Brasileira das Empresas de Serviços Auxiliares do Transporte Aéreo) para certificar as empresas prestadoras de serviços de ground handling, aumentando a segurança operacional e elevando os padrões de qualidade em solo. Na oportunidade também serão conhecidos os nomes das quatro primeiras empresas certificadas.

Já estão confirmadas as presenças de Rogério Benevides, Ricardo Catanant e Luiz Ricardo, Diretores da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), Giovano Palma, Superintendente da SIA, de Ronei Glanzmann, Secretário Nacional de Aviação Civil, e do Presidente da Infraero, Hélio Paes de Barros Júnior, além de diretores da Zurich, CCR e Vinci Airports, representantes de outros operadores de aeroportos, representantes de empresas aéreas  e empresários do Ground Service Provider.

O programa de certificação é composto por uma matriz com cinco dimensões: Regulatória, Financeira, Operacional, Pessoas e ESG (meio ambiente, social e governança corporativa). A certificação é realizada por uma empresa independente, a Praxian Research Center, com sede na Avenida Paulista, em São Paulo.

O objetivo é criar benefícios para toda a cadeia aeronáutica. Hoje, as empresas de ground handling no Brasil respondem por 95% das operações em solo, desde limpeza de aeronaves, com foco na sua desinfecção, até transporte e atendimento de passageiros, tripulantes, bagagens, check-in, manuseio de carga, canal de inspeção para embarque de passageiros, entre outras modalidades.

O selo do Certificado de Regularidade em Serviços Auxiliares ao Transporte Aéreo

As empresas que desejarem ser certificadas precisarão apresentar uma série de documentos que comprovem condições regulares de operação e uma estrutura saudável, garantindo a segurança de quem contrata, companhia aérea ou aeroporto, além de poder servir de referência para a fiscalização por parte dos órgãos governamentais.

Os critérios de análise envolvem aspectos eliminatórios e outros classificatórios, totalizando uma soma máxima de 100 pontos. Mais informações em cres.abesata.org.

Informações da Assessoria de Imprensa da Abesata

Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias