Início Acidentes e Incidentes

Logo após partir, pilotos retornam ATR da Azul por indicação de baixo nível de combustível

Trajetória da aeronave envolvida no incidente – Imagem: RadarBox

Um incidente envolvendo um ATR-72 da Azul Linhas Aéreas foi registrado recentemente, no qual o bimotor turboélice precisou voltar ao aeroporto de origem pouco após partir, por problema em seu sistema de combustível. A ocorrência se deu no último dia 29 de outubro, conforme registrada no banco de dados do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA).

De acordo com as informações do CENIPA e com os dados da plataforma de rastreio de voos RadarBox, o ATR-72 envolvido no incidente foi o registrado sob a matrícula PR-AKD, que realizaria o voo AD-4480 de Campinas, interior de São Paulo, para o Aeroporto da Zona da Mata, na região de Juiz de Fora, Minas Gerais.

ATR-72 da Azul semelhante ao envolvido no incidente

A aeronave decolou do Aeroporto Internacional de Viracopos às 17h20 com 4 tripulantes e 56 passageiros, entretanto, ainda durante a fase inicial de subida, os pilotos observaram aviso de ‘FUEL LOW LEVEL’ apresentado pelo ATR, mensagem essa que indica baixo nível de combustível.

Tendo atingido 8 mil pés (2,44 km) de altitude durante a subida, os pilotos interromperam a operação para iniciar o retorno para o aeroporto em Campinas. A imagem do RadarBox abaixo mostra que a aeronave ainda realizou uma órbita de espera antes de prosseguir para Viracopos e pousar em segurança pela pista 15, cerca de 27 minutos após a decolagem.

Trajetória da aeronave envolvida no incidente – Imagem: RadarBox

Um segundo ATR-72, registrado sob a matrícula PR-AQE, decolou às 21h41 do aeroporto com o mesmo número de voo e chegou ao destino sem intercorrências. Já o PR-AKD envolvido no incidente ficou em solo até às 22h55 do mesmo dia, quando decolou para um voo regular para Belo Horizonte.

Apesar da indicação de baixo nível de combustível relatada pelo CENIPA, bem como a classificação do incidente ter sido de “Vazamento de Combustível”, o órgão não detalha se a volta ao aeroporto ocorreu por conta de um real vazamento ou apenas por uma pane no sistema de indicação.

Leia mais:

Sair da versão mobile