Início Empresas Aéreas

Lufthansa deve comprar aviões regionais, e o A220 parece ter vantagem sobre o Embraer

Airbus A220-300 – Imagem: Romain COUPY / CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

Ao longo deste ano de 2021, acompanhamos algumas informações de bastidores da aviação que levantavam a possibilidade de que uma grande compra dos aviões de última geração da Embraer, os E-Jets E2, estaria sendo avaliada.

Entre as informações, durante comentários em eventos do mercado de aviação por volta de fevereiro, Carsten Spohr, CEO do Grupo Lufthansa, comentava que a empresa tinha conversas com fabricantes, incluindo a Embraer, para uma possível compra de aviões.

Na ocasião da afirmação de Carsten, as ações da fabricante brasileira de aviões no mercado financeiro até apresentaram uma vigorosa alta de preço, mesmo sem nenhuma confirmação de alguma negociação efetiva.

Mas no fim, um grande pedido de aviões foi feito no meio do ano pela canadense Porter Airlines, para até 80 E-Jets E2 entre encomendas firmes e opções de compra, e até agora nada foi acertado com o grupo alemão de empresas aéreas, seja com a brasileira ou com a europeia Airbus, que fabrica os jatos A220, grandes concorrentes diretos dos Embraer.

Porém, segundo notícia publicada pela Bloomberg nesta última quarta-feira, 03 de novembro, a Lufthansa estaria bastante voltada a um relevante pedido não apenas para reforçar sua frota de aviões regionais, mas também para simplificá-la em menos modelos, com objetivo de redução de custos.

Assim sendo, como atualmente o grupo opera, entre suas várias subsidiárias, aviões da Embraer da geração anterior E1 e também aviões A220 de nova geração recebidos há pouco tempo, o movimento mais natural seria de uma unificação em torno da frota dos jatos Airbus.

Mesmo assim, o CEO do Grupo Lufthansa ainda deixa em aberto a chance de a Embraer estar no jogo. Segundo a Bloomberg, Carsten afirmou em uma conferência por telefone que pedidos de proposta foram enviados para fabricantes de aviões regionais, que ainda não existe uma decisão final e que há a possibilidade de escolha de uma fabricante diferente, incluindo a brasileira.

Assim sendo, o suspense ainda deve continuar por algum tempo. Será que a Embraer leva essa relevante compra?

Embraer E195-E2 – Imagem: Embraer