Início Mercado

Maiores companhias aéreas da China pretendem aumentar o número de voos internacionais

Foto: Xinhua

As três principais companhias aéreas estatais da China, Air China, China Eastern Airlines e China Southern Airlines, planejam aumentar significativamente o número de seus voos internacionais após algum alívio nas restrições anti-COVID à entrada no país. Isso foi relatado na terça-feira pela mídia de negócios Yicai Global .

Na temporada inverno-primavera, iniciada em 30 de outubro, três companhias aéreas atenderão um total de 136 rotas internacionais. Isso é significativamente maior do que na temporada de verão, relata o noticiário, citando dados das companhias aéreas.

A China Eastern operará em 42 rotas internacionais. O aumento de voos ocorrerá à medida que houver avanços entre o regulador local e os órgãos competentes no exterior.

A China Southern planeja voar o mesmo número de rotas e também se prepara para reduzir os preços das passagens para vários destinos, dependendo da oferta e da demanda. As tarifas continuarão altas para voos entre a China e a América do Norte, bem como a Austrália, mas os preços das passagens para o Sudeste Asiático podem cair com o aumento do tráfego.

Já a Air China se prepara para atender 52 rotas internacionais com 132 voos semanais na próxima temporada. Segundo o site, os voos serão retomados em rotas como Pequim – Cingapura, Hangzhou – Roma, Hangzhou – Osaka, Chongqing – Dubai, Chongqing – Seul, Tianjin – Tóquio e Tianjin – Osaka. A companhia aérea planeja abrir novos voos, incluindo Pequim – Joanesburgo – Chengdu, Chongqing – Budapeste e Chongqing – Ho Chi Minh City.

No início de novembro, o governo chinês retirou uma série de restrições anti-COVID relacionadas à quarentena e à operação de companhias aéreas. Em particular, o governo decidiu reduzir a quarentena para chegadas à China de sete para cinco dias e, 48 horas antes da partida, agora é necessário fazer não dois testes de PCR, mas um. Além disso, foi cancelado o mecanismo para punir as companhias aéreas com suspensões temporárias de voos para o país no caso de passageiros serem identificados como infectados com coronavírus.

Aviação civil chinesa

Anteriormente, a Yicai Global, citando especialistas do setor, informou que, em suas operações, a indústria de aviação civil chinesa recuperou este ano apenas cerca de 50% do nível anterior ao COVID 2019. Em 2021, esse número era de cerca de 70%.

Ao mesmo tempo, os preços dos combustíveis aumentaram cerca de 75% este ano em comparação com 2021, elevando os custos totais da indústria em mais de US$ 5,6 bilhões. As perdas também estão relacionadas à redução geral do número de voos e ao contínuo enfraquecimento da moeda nacional chinesa, o que leva a perdas cambiais para o setor.

Anteriormente, a Autoridade de Aviação Civil da China disse que investiu US$ 422,5 milhões em apoio à Air China, China Eastern e China Southern no primeiro semestre do ano e forneceu US$ 281,6 milhões para o maior grupo aeroportuário, Capital Airports Holdings. Além disso, US$ 21,1 bilhões em empréstimos de emergência foram emitidos para companhias aéreas e aeroportos chineses.

Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.