Início Acidentes e Incidentes

Menos de 1 mês após a queda, aviões 737-800 voltam a voar pela China Eastern

Boeing 737-800 – Imagem: Shadman Samee / CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

Uma movimentação da frota da China Eastern Airlines neste domingo, 17 de abril, traz boas expectativas a respeito das investigações da queda do Boeing 737-800, ocorrida na China no dia 21 de março.

A própria continuidade das operações do modelo pelo resto do mundo ao longo deste quase 1 mês desde o acidente, tendo sido tirado de operação apenas na própria companhia e suas subsidiárias, já vinha indicando que as avaliações preliminares do caso não estão revelando nenhum problema com o projeto da aeronave.

E agora, com o prazo de 1 mês se aproximando, quando costuma ser apresentado o primeiro relatório da investigação de acidentes de interesse internacional, a volta da utilização de um 737-800 pela Eastern neste domingo parece dar mais uma pista de que a causa do acidente possa estar relacionada a um fator pontual da ocorrência, e não à operação geral do modelo.

O jato de matrícula B-207L cumpriu o voo de número MU-5843, um serviço regular de transporte de passageiros entre Kunming e Chengdu. Mas não sem antes efetuar, no dia anterior, um voo de teste de 1 hora, partindo e voltando ao mesmo aeroporto.

O voo local de teste do 737-800 no sábado – Imagem: RadarBox
O primeiro voo comercial do 737-800 após a paralisação – Imagem: RadarBox

Até o momento, não há informações que indiquem se o voo de teste foi apenas relacionado à manutenção pela reativação da aeronave, após quase um mês estocada, ou se tem ligação também com alguma verificação advinda das descobertas da investigação.

Mas, se até agora nada tivesse sido descoberto sobre o acidente, e ainda houvesse dúvidas quanto à segurança de voo do 737-800 ou da forma de operação do modelo pela companhia, o jato possivelmente continuaria fora de uso até quando fosse necessário.

Além da volta do B-207L a um voo comercial, um segundo 737-800, de matrícula B-209M, também decolou neste domingo para um voo local de teste em Shanghai, portanto, há a expectativa de que também volta à operação em breve.

Mais de 200 aviões do modelo foram paralisados pela China Eastern e suas subsidiárias após o acidente.

Apesar da novidade da movimentação, ainda não foi emitido nenhum comunicado oficial sobre o andamento da investigação. Possivelmente as autoridades chinesas aguardarão até o prazo de 1 mês definido pela Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO) para a apresentação de relatórios preliminares de acidentes.

Sair da versão mobile