Mulher procura o homem do assento 17C que conheceu num voo; e rolou encontro

Parece que o amor estava no ar em um voo da Air New Zealand entre Auckland e Wellington na última segunda-feira, 23. A química foi realmente boa e levou uma mulher a buscar pelo homem que estava sentado no assento 17C. O final foi surpreendente.

Air New Zealand mulher
Foto de XPinger – Chris Sutton via Wikimedia Commons

A história foi reportada pelo New Zealand Herald. A mulher, que quis permanecer anônima, disse estar voando no NZ441, quando um belo e bem-vestido estranho ocupou o assento ao lado dela. De fato, a gentileza dele foi instantânea. Ao ver a mulher com a irmã (a última tinha um bebê de colo), ele ofereceu seu assento no corredor, para que fosse mais fácil das duas conversarem e se revezarem com a criança.

Uma boa conversa se seguiu depois disso, mas os poucos 50 minutos de voo foram apenas suficientes para despertar a curiosidade. Mas o caráter familiar do homem misterioso despertou a atenção da mulher durante aquela breve conversa.

Segundo ela, o moço ficou muito “tagarela” durante o voo, falou da sua vida, contou seus planos de Natal, que iria passar a data com a mãe porque a maioria de seus irmãos e irmãs estavam na Austrália, etc. Enfim, a conversa rendeu, até que os dois desembarcaram e não se viram mais.

A busca começa

Os detalhes sobre o “belo estranho” eram poucos e, vendo que a moça parecia feliz com o rapaz, sua irmã decidiu entrar em contato com o New Zealand Herald na tentativa de localizá-lo. Inclusive, ela disse ao jornalista que sua irmã é bastante exigente quando se trata de homens e que, portanto, esse sujeito em particular se destacou:

“Para alguém chamar sua atenção é um grande feito… Então, se você é o homem da 17C, ela realmente gostaria de sair para tomar uma bebida e conversar um pouco mais… Ele era muito alto, bonito, tem cabelos escuros – eu não consigo me lembrar de que cor eram os olhos dele”- irmã de mulher sem nome.

O voo NZ441 é diário e operado com A320

O que aconteceu depois

Conhecendo o número do voo e do assento, a maneira mais eficaz de entrar em contato com o passageiro seria através da Air New Zealand, mas isso quase certamente seria uma violação das políticas de privacidade da empresa. Espalhar a notícia em meios públicos seria outra maneira viável de se conectar, mas o tiro poderia sair pela culatra, especialmente se o homem não fosse um leitor de notícias. 

Enquanto rondavam na cabeça da moça questões como “ele saberá que eu está procurando por ele”, ou “será que ele está solteiro” ou “ele se sente da mesma maneira?”, o universo conspirava a seu favor.

Uma mãozinha da Air New Zealand

Parece que ambos estavam com sorte. Após o assunto ganhar um pouco mais de visibilidade, e com a assistência dos cupidos da Air New Zealand, o homem foi encontrado.

O cavalheiro não quis dar seu nome, mas disse ao New Zealand Herald que adoraria poder sair com a passageira do assento 17B.

“Gostei muito de conhecer as duas irmãs adoráveis, elas pareciam meigas e carinhosas. A mulher, em particular, tinha uma grande personalidade, era bonita, loira e divertida para conversar” – o homem em 17C. “Minha mãe fez um bom trabalho ao me criar”, disse ele ao Herald quando perguntado sobre o que o havia ajudado a chamar a atenção da mulher.

Ao mesmo jornal, a irmã da moça da 17B disse que a última estava ansiosa pelo encontro, mas também envergonhada pela confusão. A irmã também disse que os comentários no Facebook acusando a mulher de ser uma “perseguidora de homens” estavam muito longe da realidade.

Air New Zealand Airbus A320-232WL ZK-OXE

E, honestamente, acho que a moça esteve totalmente certa de seguir sua vontade e sinto vergonha maior por quem perdeu seu tempo julgando-a.

Bela atitude

Muito bom poder ver duas pessoas se conectando dessa forma e desejamos o melhor aos dois. Quem sabe daí não nasça uma bonita história de amor.

Apreciamos também a atitude dos agentes envolvidos como o Herald e a Air New Zealand, que fizeram um bonito papel, sem expor as pessoas, conduzindo tudo de maneira sigilosa

E, por fim, fica a dica: ouse. Converse, troque contatos e, quem sabe, bonitas histórias como essas nasçam já dentro do avião.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias