Neeleman sobre a TAP: “Parem de me usar e recuperem o dinheiro do contribuinte”

Após várias críticas sobre sua administração na TAP, o brasileiro David Neeleman rebateu o governo de Portugal.

David Neeleman
David Neeleman

A última polêmica envolvendo a companhia portuguesa, que foi reestatizada durante a pandemia do coronavírus, refere-se à compra de aeronaves da Airbus, ainda durante a gestão de David Neeleman e Antonoaldo Neves, ambos brasileiros que também trabalharam juntos na liderança da Azul Linhas Aéreas.

Sua atuação na emprea foi marcada por uma forte renovação de frota, com aeronaves novas Airbus A320neo, A321neo e A330neo, mas, na semana passada, o Ministro da Infraestrutura de Portugal, Pedro Nuno Santos, acusou que o contrato com a Airbus estaria acima do preço.

Esta foi mais uma crítica feitas por membro do governo português contra Neeleman, que também foi acusado de deixar a empresa aérea sob vários prejuízos. Mas o brasileiro nascido em São Paulo, que fundou a Westjet, JetBlue, Azul e Breeze Airways, decidiu falar e rebater as acusações, que segundo ele são infundadas.

“Esta declaração, de um alto representante do Estado Português sobre um investidor estrangeiro que, a tempo, impediu a falência da companhia bandeira do país, não pode ficar sem uma resposta“, afirmou Neeleman ao jornal português Lusa.

Primeiro A330neo da TAP antes de um voo de teste em 2018

Segundo ele, a negociação com a Airbus foi complexa e demorada, mas permitiu que a TAP renovasse sua frota que era “uma das mais envelhecidas da Europa”, ajudando a reduzir os custos operacionais.

Ainda segundo o brasileiro, “os novos aviões da TAP foram adquiridos a preço de mercado, como demonstram as várias avaliações independentes apresentadas e confirmadas pelo rigoroso e exaustivo escrutínio político e técnico, típicos e desejáveis quando se trata de um processo de privatização e de um processo de reorganização acionista com o Estado Português“.

Neeleman também destaca que, graças à sua administração, acompanhada de perto pelo governo português, que também era acionista, a TAP hoje é uma empresa mais interessante para uma possível nova privatização, que teria atraído olhares da Lufthansa, uma gigante alemã do setor aéreo: “Esta oferta, naturalmente, só foi formalizada pelo ‘player’ (sem citar diretamente a Lufthansa) depois de um processo de auditoria rigoroso. Alguém concebe que essa oferta teria surgido se os contratos celebrados para a renovação da frota da TAP estivessem fora dos padrões de mercado?”.

Por fim, o empresário brasileiro ainda lamenta a situação que a empresa está, envolvida em várias polêmicas e sendo usada como moeda política. “Deixem de me usar e à TAP como arma de arremesso e recuperem dinheiro dos contribuintes“, concluiu David Neeleman.

Carlos Martins
Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Gol tem voo atrasado e passageiro deve receber R$ 4 mil...

0
A Gol Linhas Aéreas justificou a ocorrência do atraso em face da acomodação e ajustes de passageiros do voo em questão.