O avançado caça F-22 Raptor chegou à FIDAE, e seu treino foi captado em vídeo

Lockheed Martin F-22 Raptor

Desde o anúncio do Demo Team da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF), sobre a confirmação da participação do Lockheed Martin F-22A Raptor na vigésima segunda edição da Feira Internacional Aérea e Espacial – FIDAE, o caça tornou-se uma das mais aguardadas atrações.

Assim, no sábado, 2 de abril, o avião de combate mais avançado do mundo pousou na pista do Aeroporto de Santiago, no Chile, para mostrar todo o seu potencial durante a FIDAE 2022, de 5 a 10 de abril.

E enquanto o evento não se inicia, o caça já foi captado em vídeo durante seu treino para as demonstrações. O vídeo a seguir apresenta as imagens e, principalmente, o belo som dos potentes motores a cada retorno do avião para próximo do cinegrafista:

É importante ressaltar que o F-22 Raptor é o primeiro caça de quinta geração do mundo a entrar em serviço. Além disso, possui características multifuncionais que combinam potência, agilidade e aviônicos avançados que lhe conferem uma excelente capacidade em combate ar-ar e ar-solo, tornando-o um dos caças mais poderosos do mundo.

Este trabalho de engenharia aeronáutica foi desenvolvido pela empresa Lockheed Martin em conjunto com a Boeing, para ser um impedimento estratégico que é continuamente atualizado devido à natureza dos ambientes e ameaças em constante evolução. Algumas de suas atualizações estão relacionadas à interoperabilidade de sistemas, radar e estabilidade do link de dados.

Para conferir todas as novidades da FIDAE 2022, clique aqui.

Com informações da FIDAE

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

“Carro voador” que opera sem piloto a bordo está presente pela...

0
De acordo com levantamento do MundoGeo, o Brasil é o terceiro maior mercado de eVTOLs do mundo, atrás apenas de Estados Unidos e China.