Ouça o que diz Mônica Edo, única brasileira a pilotar este avião de 1942, um ícone da aviação

Mônica Edo, pilotando seu NA AT-6D de matrícula PT-LDQ

Mônica Edo é reconhecida como a primeira mulher no Brasil a pilotar um exemplar do avião North American T-6, um ícone da história da aviação, com mais de 15 mil unidades fabricadas desde o primeiro voo do projeto em 1935.

À frente de seu AT-6D roxo de matrícula PT-LDQ, produzido em 1942, com uma gostosa narrativa de sua história, a brasileira aproveita para deixar, tanto às mulheres às vésperas deste Dia Internacional da Mulher, quanto a todos que possuem um sonho, a mensagem sobre como acreditar ser capaz foi fundamental para ela enfrentar os desafios e adversidades até conquistar esse objetivo de ser a primeira no Brasil.

A Força Aérea Brasileira (FAB) operou a versão AT-6D entre 1947 e 1976, e o modelo foi fabricado sob licença no Brasil entre 1946 e 1951 na fábrica de aviões de Lagoa Santa, Minas Gerais, totalizando 81 unidades.

Mas mesmo com essa história do icônico avião de motor radial “roncando” pelos céus de nosso país, apenas em tempos modernos uma mulher chegou aos comandos de um exemplar.

Mônica sempre foi uma apaixonada pelo mundo aéreo, mas seu encantamento cresceu quando conheceu o paraquedismo. Começou sua carreira como paraquedista aos 16 anos de idade, tendo realizado o primeiro salto em 1978. Em 1983, na cidade de Lençóis Paulista, conheceu um dos principais impulsionadores de show aéreo na história brasileira, o comandante Carlos Edo (in memoriam), com quem se casou.

Inclusive, foi o casal que iniciou o chamado “Circo Aéreo”, constituído por uma esquadrilha de aviões e uma equipe de paraquedismo. Foi a primeira equipe civil no país a ser formalmente autorizada pela autoridade aeronáutica a fazer voos em formação, abrindo espaço para outras esquadrilhas no país.

Inicialmente, Mônica apenas saltava de paraquedas durante as apresentações da esquadrilha, constituída por aviões NA T-6 e Beech E-18, mas, com o passar do tempo, e já tendo também se tornado piloto, ela se perguntou o porquê de não alçar mais esse desafio de pilotar o clássico e imponente monomotor, até então só comandado por homens no país.

É sobre essa sua trajetória marcante que Mônica fala no vídeo publicado nesta semana pelo TEDx Talks, incluindo curiosidades como, por exemplo, a dicotomia entre o fato de o avião ser praticamente um tanque de guerra, sem conforto algum, mas muito dócil de se pilotar, tendo sido inclusive um sucesso como modelo de formação de pilotos de guerra.

Caso você tenha gostado de ouvir Mônica e sua história, deixamos aqui a sugestão para você assistir mais um vídeo dela, publicado há poucos meses em homenagem ao Dia do Aviador. Para acessar, clique aqui.

Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias