Ouça o que diz um piloto brasileiro sobre fazer voos comerciais em regiões de guerra

Avião Boeing 747-400F
Imagem meramente ilustrativa

Como visto no início do ataque da Rússia à Ucrânia, o espaço aéreo de todo o país atacado foi fechado para o tráfego de aviões civis, sob o risco de serem alvejados em meio ao conflito.

Diante disso, o piloto brasileiro de linha aérea Rafael Santos, o “Tiozão”, já bastante conhecido por seu canal “TFF – Teaching For Free” no YouTube, publicou um vídeo fazendo alguns comentários sobre a situação particular de voar em zona de guerra.

Na gravação, ele comenta sobre os riscos envolvidos e sobre a necessidade de programação de rotas alternativas pelas equipes de planejamento da companhia aérea, para evitar tanto a área de guerra quanto outros espaços aéreos eventualmente fechados, como no caso das sanções de sobrevoo à Rússia.

Santos também fala de como os pilotos são avisados pela empresa sobre mudanças de rota necessárias depois que o voo já está em curso, quando há restrições de espaço aéreo definidas após a decolagem.

As explicações do piloto podem ser conferidas no vídeo a seguir:

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Voos domésticos da Latam no Brasil tiveram 35,6% mais demanda em...

0
A companhia operou quase 3 mil voos extras para a alta temporada no Brasil, um volume de voos que está mantido nos demais meses de 2022.