Passageira reclama que a GOL não teria expulsado “terroristas” de seu voo

Uma passageira denunciou duas pessoas que estavam no seu voo, chamando-os de “terroristas”, e ainda reclamou que a tripulação da GOL nada fez com eles.

Imagem: RIOgaleão

Uma denúncia inusitada foi compartilhada no Twitter pela passageira Roberta Luchsinger, que estava a bordo do voo G3-1461 de Brasília para São Paulo (Congonhas), no último dia 9 de janeiro, segunda-feira, um dia após manifestantes violentos invadirem os Três Poderes promovendo uma quebradeira generalizada e resultando na detenção de centenas.

Segundo Roberta, dois passageiros que estavam sentados na fileira atrás dela estavam conversando sobre terem participado da invasão, se vangloriando da destruição causada por eles e outros contra os edifícios Federais.

Após ouvir este relato, ela avisou para a comissária que os dois passageiros estariam envolvidos na invasão e pediu que o Comandante fosse avisado para ele notificar à Polícia Federal. No entanto, segundo Roberta, nada foi feito e a aeronave seguiu o voo para Congonhas.

Inconformada, ela afirmou que fará uma denúncia formal contra os dois passageiros. “Vou fazer uma denúncia formal, mas espero que essas pessoas sejam localizadas e que a Gol colabore com a democracia e com a justiça. Tem que fornecer a lista de passageiros desse voo, pois com certeza haviam mais terroristas a bordo”, disse ela.

Apesar da PF abrir um e-mail para denunciar participantes na invasão, a simples presença dos passageiros no voo comercial, sem mandado de prisão ou ameaça à segurança de voo, não resulta numa expulsão do voo por parte do comandante ou dos policiais. Logo, a tripulação não poderia retirar um passageiro pagante por mera alegação de estarem na invasão, sem que houvesse flagrante.

Carlos Martins
Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Após 10 meses, avião e tripulação pegos com 200 kg de...

0
Depois de dez meses apreendido na República Dominicana, voltou ao Canadá a aeronave CRJ-100ER de matrícula C-FWRR, da Pivot Airlines