Passageiro com GPS na mala assiste todo o perrengue da empresa aérea que a extraviou

Esta é uma história que demonstra como será o futuro das bagagens perdidas em um mundo onde tudo pode ser rastreado. Ela envolve o passageiro Elliot Sharod, que voltava da África do Sul recém-casado e teve o azar de descobrir que sua bagagem havia sido perdida pela companhia aérea irlandesa Aer Lingus.

Recém-casados

Era para ser uma volta tranquila para casa, em Surrey, no Reino Unido, mas as expectativas foram quebradas na hora coleta de bagagens no aeroporto de Dublin. As três malas viajavam com ele e sua esposa numa complexa rota que começava em Joanesburgo e terminava na capital irlandesa, com duas trocas de avião, uma em Abu Dhabi e a outra em Frankfurt. 

Escolheram assim por ser a rota mais barata e a reserva foi feita com a empresa aérea emiradense Etihad, que tem acordo de codeshare com a Aer Lingus. Prevendo que a longa e complexa jornada para casa poderia trazer problemas, Sharod comprou três Airtags, produtos da Apple que emitem alertas de rastreamento via Bluetooth e colocou um em cada mala.

Aliviado com essa precaução, quando confirmou que a bagagem não chegou a Dublin, ele concluiu que não havia motivo real para alarde, preencheu os formulários da empresa e começou a monitorar os locais por onde seus pertences passavam. Foi então que as coisas começaram a fugir do controle.

Monitorando

Após algum tempo de rastreio das malas, o casal recebeu dois dos volumes em sua casa, faltando um terceiro. A bolsa de Helen ainda estava desaparecida, e incluía seus cartões de casamento, notas de agradecimento e outros itens pessoais insubstituíveis.

O jovem reclamou com a empresa aérea e com a Eagle Avation, uma empresa contratada para devolver as malas ao casal, mas não obteve resposta de nenhum lado. Enquanto isso, os Airtags da Apple não pararam de enviar dados, mostrando que a bolsa de Helen estava no centro de Londres, primeiro em uma igreja e depois em uma casa de massagem.

Após quatro dias após a entrega da mala no endereço errado, ela mudou duas vezes e permaneceu em seu segundo local. O casal acredita que foi roubada e denunciou à polícia.

Desfecho

Perturbado com o processo, vários e-mails, ligações e DMs foram enviados para resolver o problema, e nada. Foi então que o rapaz resolveu expor o caso por meio de uma série de tuítes, que ganharam enorme repercussão (e ilustram esta publicação).

Os tuítes estabeleceram a linha do tempo do que ocorreu e onde as malas estavam atualmente, pelo menos de acordo com as Airtags. Por fim, a mala finalmente entregue.

Ele disse que jamais iria ao local onde as Airtags estavam apontando, não apenas por ser muito distante de sua casa, mas pelo risco de não saber o que encontraria ali, considerando que a mala poderia ter sido roubada.

O caso ilustra bem o que pode ser o futuro do rastreamento de bagagens e, assim, diminuir em muito a quantidade de extravios, que chega na casa das milhões de malas por ano em todo o mundo.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias