Passageiro pega 10 meses de prisão após apalpar jovem de 17 anos em voo

Avião Boeing 737-800 American Airlines
Boeing 737-800 da American Airlines – Imagem: BriYYZ / CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

Um passageiro de 38 anos foi condenado a 10 meses de prisão, mais cinco anos de liberdade supervisionada e uma multa de US$ 2.000, por agredir sexualmente uma estudante a bordo de um voo da American Airlines de Charlotte para Raleigh-Durham, nos Estados Unidos.

O passageiro identificado como Ryan Eugene Larned, de Fayetteville, Carolina do Norte, também será registrado como agressor sexual como parte de um acordo que fez com os promotores, conforme apresenta o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

De acordo com documentos judiciais e outras informações apresentadas no tribunal, Larned onde estava sentado ao lado de uma garota de 17 anos que voava sozinha. A mulher, uma estudante do ensino médio, estava no banco da janela enquanto Larned estava no banco do meio. 

Sem se envolver em conversa e sem consentimento, o homem de 1,80 m e quase 100 quilos começou a tocar a área da virilha da passageira de 1,50 m e 45 quilos. Ele colocou sua jaqueta sobre eles e enfiou as mãos dentro das calças da passageira. A vítima imediatamente denunciou a agressão. 

O incidente ocorreu em 17 de fevereiro de 2021, e um júri indiciou formalmente Larned um mês depois.

“Viagens aéreas seguras são essenciais para nossa economia e para manter as famílias conectadas”, comentou Michael Easley, procurador do Distrito Leste da Carolina do Norte. “Este réu agrediu uma jovem que viajava sozinha e agora passará um tempo atrás das grades e será identificado como agressor sexual na comunidade”.

“Nenhum passageiro, tripulação de voo ou comissário de bordo deve voar com medo. Meu escritório continuará a processar crimes que ponham em risco a segurança do público voador”, finalizou.

Leia mais:

Juliano Gianotto
Ativo no Plane Spotting e aficionado pelo mundo aeronáutico, com ênfase em aviação militar, atualmente trabalha no ramo de fotografia profissional.

Veja outras histórias