PIA resolve a questão dos pilotos com brevê falso e passa em auditoria da ICAO

Foto de Anna Zvereva / CC BY-SA 2.0 via Wikimedia

O Paquistão resolveu as preocupações com a segurança que surgiram após um escândalo sobre licenças de piloto falsas em 2020, que contaminou o país e sua companhia aérea, a Pakistan International Airlines (PIA). Isto é o que conclui uma carta de 4 de janeiro da Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO) ao Diretor-Geral da Autoridade de Aviação Civil do Paquistão, Khaqan Murtaza, vazada para a mídia.

O escândalo estourou em junho de 2020, após o acidente de 22 de maio, quando houve a queda de um A320 da empresa em Karachi, matando 97 pessoas. Nas semanas seguintes, a PIA revelou que 150 de seus 426 pilotos possuíam licenças falsas. Em seguida, descobriu-se que 262 de 860 pilotos ativos no país trapacearam por ter outra pessoa escrevendo seus exames de piloto. Em julho de 2020, a PIA demitiu 52 funcionários, 25 por possuírem qualificações falsas.

A Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA) e a Agência Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA) reagiram barrando as companhias aéreas paquistanesas de seus respectivos territórios. A EASA retirou sua autorização de Operador de Terceiro País (TCO) para transportadoras paquistanesas, enquanto a FAA rebaixou o Paquistão ao status de segurança de Categoria 2, o que significava que nenhuma aeronave registrada no Paquistão poderia entrar no território dos EUA.

De acordo com a carta da ICAO, uma equipe de inspeção da ICAO conduziu uma auditoria do Programa de Auditoria de Supervisão de Segurança Universal (USOAP) no Paquistão de 29 de novembro a 10 de dezembro de 2021.

“Durante a auditoria, a equipe da ICAO revisou as ações corretivas tomadas e as evidências relacionadas apresentadas pelo Paquistão para abordar a preocupação significativa de segurança (SSC) – [SSC/PEL-01/09-2020/PAK emitido para o Paquistão em 18 de setembro de 2020] – em relação ao sistema de licenciamento do estado, especificamente aos exames conduzidos pela Autoridade de Aviação Civil do Paquistão (PCAA) e por organizações de treinamento delegadas ou designadas antes da emissão de licenças e classificações”, diz o relatório.

“De acordo com o processo USOAP SCC, o Comitê da ICAO revisou as ações e as evidências relevantes, e determinou que as ações tomadas pelo Paquistão haviam resolvido os problemas de licenciamento e certificação”, concluiu.

De acordo com as notícias locais, o PCAA espera retomar o licenciamento de pilotos em fevereiro de 2022.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias