Por causa da idade, Bruce Dickinson não vai mais pilotar o avião do Iron Maiden

Foto: Divulgação Iron Maiden

As turnês do Iron Maiden perderão um ingrediente em seus bastidores. Após mais de uma década o vocalista Bruce Dickinson deixará de comandar o jato da banda. Por vários anos, o grupo rodou o mundo a bordo de aeronaves batizadas de “Ed Force One”, totalmente personalizadas e comandadas pelo célebre comandante-cantor.

Em entrevista à Associated Press, Dickinson disse chegou a hora de viajar “lá atrás” com os demais passageiros ou mesmo no assento extra disponível na cabine da aeronave que estiverem voando. Indagado sobre as próximas etapas da turnê “Legacy of the Beast”, do Iron Maiden, e a possibilidade de pilotar novamente o “Ed Force One”, Dickinson respondeu:

“Oh, não, não, não, não. eu vou estar na parte de trás. Ei, olhe, eu tenho 63 anos – eu faço 64 em agosto. Você sabe, quando você chega aos 65, se você é um piloto de avião, eles simplesmente o levam para fora, certo? Então, eu vou estar sentado no banco de trás”.

O comentário sobre a idade de 65 anos é uma referência às regras de aposentadoria forçada em vigor tanto pela Administração Federal de Aviação (FAA) quanto pela Organização Internacional de Aviação Civil (ICAO).

Já o regime de turnês do Iron Maiden é impressionante para qualquer banda, mais ainda para um grupo de indivíduos na casa dos 60 a 70 anos. Dickinson, no entanto, ia além. Servia como piloto do Boeing 747, além de se apresentar por duas horas por noite, às vezes no mesmo dia do voo.

Ele, no entanto, é apaixonado por aviação e comentou na entrevista que seus dias na companhia aérea eram mais “rock and roll” dos que as horas que passava com o Iron Maiden no palco.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Veja como a Força Aérea gerencia o grave risco baloeiro no...

0
A soltura de balões pode ser considerada crime, por colocar em risco a navegação aérea e a vida de milhares de pessoas.