Início Empresas Aéreas

Por que os novos Boeings 767 da FedEx não vêm com winglets?

Os winglets são uma modificação pequena, mas que traz grandes benefícios para os aviões. Então, por que a FedEx não os coloca nos seus novos Boeings 767?

Boeings 767 FedEx
Boeings 767 da FedEx em Los Angeles, Califórnia

Esta pergunta é recorrente de alguns leitores, e também era pessoal, já que tantas outras empresas aéreas colocam os winglets em seus jatos, mas a FedEx os recebe sem este adicional.

Os winglets são uma modificação na ponta das asas da aeronave, que reduz o arrasto induzido, ou seja, o arrasto causado pelo ar que escapa da parte de baixo da asa (onde há alta pressão) para a parte de cima (onde há baixa pressão). A economia de combustível pode chegar em até 7%, mas em média é de 4 a 5%, o que já é muito na aviação, como o Lito explicou bem:

De início, pensei que era uma questão apenas de custo na aquisição, já que economia parece não ser algo tão crítico no mercado de cargas aéreas quanto é no de passageiros: a prova é o próprio 767, que não é mais produzido para passageiros por existirem jatos mais modernos e econômicos como o 787 Dreamliner, mas ainda é para cargas.

Mas, conversando com alguns pilotos da UPS e também da Atlas Air (que também tem o 767 com e sem winglets, sendo todos os aviões adquiridos de segunda mão), descobri que é algo além de custo na aquisição do novo jato cargueiro.

Certificação

O winglet do 767 © Aviation Partners

A primeira questão é técnica: o 767 não foi desenhado com winglets, foi algo que surgiu depois do seu lançamento, assim como ocorreu com o seu irmão menor 757.

Anos depois surgiram os winglets, mas não feitos pela Boeing, e sim por uma empresa terceirizada. Neste caso, foi uma parceria entre a GKN Aerospace – que desenha e produz o winglet – com a Aviation Partners Boeing (APB), que é encarregada de instalar o componente e certificá-lo.

A APB é uma Joint-Venture da própria Boeing com a Aviation Partners, sua maior fornecedora de componentes estruturais, a qual a Boeing também é sócia. De qualquer maneira, o winglet não foi desenhado pela Boeing e não é instalado por ela.

Para esta modificação, foi feito um STC – Supplemental Type Certificate – uma alteração aprovada pelas agências aeronáuticas, no caso a FAA em 2008, para certificar o winglet para uso, numa encomenda para a American Airlines.

Logo, este design é patenteado e de uso exclusivo da APB, que ironicamente é localizada em Seattle, anexa à Boeing, mas continua sendo um projeto de uma empresa terceira.

Assim, durante a produção do 767 na Boeing, existe o custo financeiro e de tempo para instalar o winglet da APB, assim como fazer toda a papelada que um componente com STC exige quando colocado na aeronave.

Isto também traz a resposta para uma pergunta frequente no site: por que o KC-46 não tem winglets?!

Boeings 767
Boeing KC-46. Imagem: Divulgação / Boeing.

O jato militar KC-46 é um 767-200ER modificado para reabastecimento militar e transporte tático. Mas, não existem Boeings 767-200ER com winglets, logo, colocar um winglet demandaria o projeto de um novo STC, novos manuais e novos documentos. Adicionalmente, projetos militares não possuem tanto foco em economia quanto projetos civis.

Assim, isso aumentaria o custo do já polêmico e problemático programa KC-X, em que a Força Aérea dos Estados Unidos, a USAF, escolheu o menor 767 ante o europeu Airbus A330 MRTT.

Espaço

Boeing 757-200 e dois McDonnell Douglas MD-11F da FedEx

Outro ponto comentado pelos pilotos é a questão de espaço ocupado pelo avião.

A FedEx, que é a maior cliente dos novos 767, é uma empresa que nasceu com pequenos jatinhos Dassault Falcon 20 cargueiros. Já sua concorrente UPS, apesar de ser uma centenária, só foi lançar nos anos 80 sua divisão cargueira, quando a FedEx já tinha se estabelecido no setor.

Assim, é necessário explicar a diferença das duas empresas, já que ambas recebem o jato sem winglets, mas a UPS tem colocado eles após um certo tempo (que tem sido de pouco mais de um ano após o recebimento).

Um dos motivos pelos quais a FedEx não segue o mesmo passo da UPS tem a ver com sua história: a empresa entrou no ramo de carga aérea antes, inicialmente com aviões menores como o acima citado jatinho Dassault Falcon 20, depois com os trijatos Boeing 727 e DC-10, além dos Airbus A310 e A300, este último ainda em operação.

Já a UPS tem operado o 767 desde 1995, além de ter começado sua história com o grande quadrijato DC-8. Assim, a FedEx usou por décadas todo seu espaçamento nos aeroportos para jatos com envergadura (comprimento de asa) menor, até adquirir o 767 apenas em 2011, enquanto a UPS sempre usou os de envergadura maior.

Mas o que os winglets têm a ver com isso? O 767 padrão tem 47,6 metros de envergadura, mas com a instalação dos winglets este número vai para 50,9 metros, um ganho de 3 metros e 30 centímetros, portanto, um espaço que a FedEx não queria perder nos seus aeroportos, como o abarrotado Memphis.

No final, acaba sendo tudo sobre custos

Boeing 727 da Western Michigan University que foi doado pela FedEx

Quando se fala em tamanho, vem, é claro, a pergunta: mas e o gigante 777F que a FedEx opera? Pois bem, o “Triple Seven” tem incríveis 60 metros de envergadura, mas faz parte de uma subfrota da companhia.

O objetivo do 777 na companhia é operar apenas em grandes aeroportos, levando cargas volumosas entre os hubs da empresa, substituindo apenas o MD-11F, que tem 51,97 metros de envergadura.

Enquanto isso, o 767 vai substituindo os A300, A310, MD-10 (DC-10) e uma parte dos MD-11F, tornando-se a espinha dorsal da companhia.

Alta demanda

E a demanda pelo 767 da empresa é tão grande que, mesmo com todos esses pontos descritos acima, ela tem usado um jato deste modelo com winglets. É o de matrícula N297FE, que pertencia à Silk Way do Azerbaijão. A empresa anterior colocou a modificação na asa, e ele depois foi incorporado pela FedEx.

Durante um breve período, houve ainda um segundo 767 com winglets, que é familiar dos brasileiros: foi o de matrícula N68079, ex-PR-ADY na ABSA Cargo, com a pintura da TAM Cargo num azul bem claro. Este “brasileiro” já retornou para a LATAM e hoje opera na nova identidade da companhia.

Como o winglet já estava instalado nestes dois 767, provavelmente não valia o custo para retirá-los na incorporação à frota da FedEx.

Por último, mas não menos importante, vem sempre o questionamento: realmente vale a pena não ter o winglet?

A resposta se relaciona à utilização dos jatos. A economia de 5% prometida pela Aviation Partners é alcançada, em sua maioria, em voos longos, em que há bastante tempo de voo com combustível sendo economizado. Em voos mais curtos, como ocorre com a maior parte da frota dos 767 da FedEx, o peso extra do componente não faz valer a pequena economia de consumo.