Após presos em Buenos Aires, pilotos de Boeing 747 da KLM são liberados

O sistema de justiça argentino decidiu libertar os pilotos do Boeing 747 da KLM Cargo, operado pela Martinair, que foram presos no dia 14 de janeiro em Buenos Aires por um suposto crime de tráfico de drogas.

Avião Boeing 747-400F KLM Cargo
Boeing 747-400F da KLM Cargo

Junto a eles, três pessoas da equipe da empresa de assistência técnica, que serviram o avião em terra, foram libertadas, segundo informações do On The Wings of Aviation.

A princípio, suspeitava-se que a droga poderia ter sido embarcada no Brasil, uma vez que os voos dos Jumbos da KLM Cargo costumam vir da Europa para Viracopos e depois prosseguem para Buenos Aires. Mas depois foram revelados vídeos que mostram o embarque na capital argentina.

Avião boeing 747-400F KLM Cargo
747 da KLM Cargo em Viracopos (Campinas/SP)

A operação

Quatro funcionários de solo, todos de nacionalidade argentina, haviam sido presos no dia 14 de janeiro, durante a operação no aeroporto. O caso também envolvia os três tripulantes holandeses. Depois, no dia 16, um quinto funcionário foi detido em sua casa.

A manobra foi registrada em um vídeo das câmeras de segurança, em que duas pessoas são vistas embarcando as cargas suspeitas:

O último detido se recusou a testemunhar. O mesmo aconteceu com o parceiro que aparece no vídeo em que eles subiam as caixas com drogas. Os outros três acusados ​​argentinos disseram não ter percebido a manobra de contrabando.

Segundo o Clarín, durante as entrevistas das testemunhas, um dos pilotos disse que não tinha nada a ver com a carga de drogas. Mas fontes judiciais acusavam que os pilotos eram diretamente responsáveis ​​por tudo o que acontece na aeronave e estavam dentro do avião no momento da operação.

O promotor Emilio Guerberoff, promotor criminal, disse que era uma operação “inteiramente fortuita”, uma vez que “não houve investigação prévia”. A equipe de controle de narcotráfico do aeroporto de Ezeiza interveio porque “detectou uma anomalia que deu origem a um controle mais exaustivo sobre a aeronave”.

Carga a bordo

Vídeo Embarque Droga Avião KLM Ezeiza
Câmera mostra momento do embarque suspeito

O promotor também disse que passageiros que viajavam no avião da empresa KLM Cargo “eram veterinários e cuidadores de cavalos”, já que essa era a carga oficial do voo, e que “em princípio” não estavam ligados à causa.

A contagem final dos 82 tijolos de cocaína embarcados atingiu um peso total de 87,55 quilos, segundo fontes da investigação confirmaram ao Clarín.

A droga estava escondida em três caixas. Em uma delas, que supostamente carregava “peças de reposição” e não tinha identificação, havia cerca de 40 tijolos de cocaína. As outras duas, menores, tinham cerca de 20 tijolos cada. Para disfarçar, elas tinham etiquetas de lubrificantes para turbinas.

Guerberoff disse que a droga tinha como destino final Viena, capital da Áustria, aonde chegaria por terra depois do pouso na cidade holandesa de Amsterdã.

A principal hipótese é que a tentativa de contrabando de cocaína consiste em “contaminação de uma carga embarcada regularmente”. Por isso, eles estão tentando determinar se as caixas foram camufladas como parte de uma remessa em nome de terceiros.

“Estamos em contato com as autoridades holandesas que ofereceram todo o seu apoio ao esclarecimento da manobra”, afirmou o promotor. Enquanto verificava o passado do último detido, para verificar se ele tinha um registro, foi confirmado que nenhum dos outros detidos possuía registro criminal.

Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias