Produtores rurais formam pilotos agrícolas para combater incêndios no Oeste da Bahia

Imagem: Aiba

Os produtores associados da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia – Aiba promoveram o maior curso para pilotos agrícolas em 15 e 16 de agosto, visando formar uma brigada aérea de combate a incêndios em campo e floresta, para atuar em propriedades rurais no Oeste da Bahia.

O curso foi ministrado na pista de pouso da Fazenda Agronol, em Luís Eduardo Magalhães, na Bahia, onde as aeronaves dos modelos Air Tractor, Ipanema e Thrush, utilizadas na aplicação agrícola, participaram das atividades práticas.

O comandante Sepé explica sobre o suporte das aeronaves e o desempenho dos pilotos nas atividades práticas. “Para o combate efetivo, as aeronaves têm que ter capacidade mínima de até 1500 litros. A parte teórica foi bem captada, e na missão prática, foi percebido que o nível dos pilotos é muito bom e com certeza serão uma grande ferramenta para contribuir com os associados da Aiba. A instituição está de parabéns em promover a capacitação”, parabenizou Sepé.

Imagem: Aiba

Atualmente, a região Oeste conta com cerca de 80 aeronaves privadas que no período da entressafra passam a maior parte do tempo ociosas. Para o piloto agrícola Wendell Marques, a iniciativa da Aiba em promover o curso foi fundamental. “Uma experiência muito diferente. Nós já tínhamos uma noção de voo carregado, de baixa altitude, e o combate a incêndio é algo totalmente diferente. Foi muito válida a experiência e agradeço a Aiba por ter proporcionado essa oportunidade”, comemora Wendell.

Da mesma emoção partilha o piloto Honório Leite. “Um ótimo curso, tanto a parte teórica quanto a prática, essa capacitação agrega mais conhecimento, experiência e soma ao currículo do piloto que se torna mais completo”, revelou.

Ao final do curso, os pilotos recebem certificado de brigadistas aéreos de combate a incêndio em campos e florestas e passam a atuar em situações que venham a ocorrer em propriedades rurais. O curso também atende às normas da Lei Nº 14.406/22, que permite o uso da aviação agrícola no combate a incêndios florestais, conforme o AEROIN noticiou em julho,

Essa operação deve trazer benefícios econômicos e ambientais. “Só na região, no ano de 2021, foram registrados 8.556 focos de incêndios e este ano, 1.617 focos. A partir do curso e com a formação da brigada de incêndio que irá auxiliar nos trabalhos de combate aéreo, acredita-se que o índice de focos de incêndio, sejam reduzidos em até 8 mil hectares”, explica o gerente de Sustentabilidade da Aiba, Enéas Porto.

Leia mais:

Juliano Gianotto
Juliano Gianotto
Ativo no Plane Spotting e aficionado pelo mundo aeronáutico, com ênfase em aviação militar, atualmente trabalha no ramo de fotografia profissional.

Veja outras histórias

Com 42 integrantes e 6 toneladas de donativos, KC-30 da FAB...

0
A aeronave decolou na madrugada desta quinta-feira (9), transportante integrantes de resgate e suprimentos ao povo turco.