Recorde de voo mais longo do mundo acaba de ser batido por um Boeing 787

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Pela segunda vez durante a pandemia, um Boeing 787 Dreamliner quebrou o recorde de um voo sem escala e com passageiros. A operação ligou Seul, na Coreia do Sul, a Buenos Aires, na Argentina.

Imagem: Aeromexico

O fato supera com folga os dois voos que tinham os recordes de voos comerciais mais longos: um da Qantas e outro da Air Tahiti Nui, e que também foram feitos por Boeings 787.

No caso da Qantas, foi um voo especial de teste entre Londres e Sydney, que realizou um estudo a bordo sobre o comportamento dos 40 passageiros e tripulação em voos tão longos. Esta rota sem escalas foi feita em 2019, percorrendo 17.750 quilômetros em 19 horas e 19 minutos com um 787-9 Dreamliner, e deve ser o precursor dos novos voos ultra-longos do futuro.

Já durante a pandemia, a Air Tahiti Nui fez um outro voo comercial que, para alguns, merece menção porque, apesar de ser mais curto que o da Qantas, tratou-se de um voo regular, com venda de passagens e realizado três vezes. O voo entre Papeete, na Polinésia Francesa, e Paris, percorreu 15.715 quilômetros em 16 horas e 20 minutos, igualmente feito por um Boeing 787-9. Outra curiosidade desse voo é que a ligação é considerada doméstica para os franceses.

O recorde atual

Por sua vez, este voo entre a Coreia e a Argentina também é especial, além de ter superado todos acima citados. Ele foi realizado pelo 787-8 de matrícula P4-787, que foi da Aeroméxico e agora voa para a empresa Comlux.

A Comlux é uma empresa de fretamentos de luxo, que utiliza aeronaves com interior completamente VIP, com menos assentos, embora o 787 recém adquirido possivelmente ainda esteja com seu interior como era na empresa aérea.

Segundo dados do FlightRadar24, foram 20 horas e 19 minutos de voo, percorrendo 19.483 quilômetros, um recorde absoluto para o modelo e para a aviação comercial. Isto só foi possível porque este 787-8 levava menos pessoas e tem uma configuração VIP, com menos assentos e, logo, menos peso, aumentando seu alcance, que de fábrica é menor do que do seu irmão maior, o 787-9.

Apesar do motivo da viagem e quem estaria a bordo não ter sido revelado, o jato seguiu da capital argentina para Punta Del Este, no Uruguai, onde se encontra até agora.

Trajetória do voo – FlightRadar24

Carlos Martins
Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias