Início Acidentes e Incidentes

Retiradas do mar as caixas-pretas e as partes do Boeing 737 da TransAir, veja em vídeo

Imagem: NTSB

Os gravadores de voo (chamados de “caixas pretas”) e todos os principais componentes de um jato de carga foram recuperados com sucesso do Oceano Pacífico, anunciou o National Transportation Safety Board (NTSB) nesta terça-feira, 2 de novembro.

Os gravadores e os destroços recuperados eram do cargueiro Boeing 737-200 operado como voo TransAir 810 quando fez uma amerissagem (pouso no mar) depois que a tripulação relatou anomalias em ambos os motores logo após a decolagem do Aeroporto Internacional Daniel K. Inouye, de Honolulu, Havaí, em 2 de julho deste ano.

O vídeo a seguir mostra os trabalhos de retirada do mar dos dois motores e das duas grandes partes da aeronave:

Os dois pilotos, os únicos ocupantes a bordo, sobreviveram, e os destroços afundaram e pararam em uma plataforma oceânica a uma profundidade de 350 a 450 pés (106 a 137 metros).

“A recuperação dos gravadores e de praticamente todo o avião representa um grande passo à frente na investigação”, disse a presidente do NTSB, Jennifer L. Homendy. “Agradecemos os esforços colaborativos das agências federais e estaduais, e das partes que contribuíram para este resultado bem-sucedido.”

Uma pesquisa subaquática do local do acidente realizada em julho revelou que a fuselagem se partiu em dois pedaços: a seção traseira com as asas e cauda fixas, e a seção dianteira que inclui a cabine de comando. Ambos os motores se separaram das asas no momento do impacto. O conjunto do trem de pouso dianteiro também se separou da fuselagem.

Quatro dos seis contêineres de carga permaneceram na seção traseira da fuselagem; os outros dois contêineres foram encontrados separados, mas próximos aos destroços. Um palete de carga foi encontrado durante a operação de busca inicial.

Nos meses que se seguiram ao acidente, a seguradora da TransAir contratou diversas empresas para a recuperação dos destroços e da carga. Isso incluiu o Eclipse Group, que opera o Bold Horizon, um navio de pesquisa baseado em San Diego equipado com um veículo operado remotamente (ROV) e outro equipamento de recuperação subaquático. Uma barcaça com sede na Califórnia, a Salta Verde, foi contratada para içar as duas seções da fuselagem e transportá-las para a costa em Honolulu.

Na manhã de 12 de outubro, o Bold Horizon deixou o porto de Honolulu para o local de recuperação com dois investigadores do NTSB, dois engenheiros da Boeing e uma equipe de especialistas em recuperação. Depois que o ROV foi usado para equipar os motores com cabos e o conjunto do trem de pouso dianteiro com uma correia, todos os três itens foram recuperados e levados para a costa em 17 de outubro.

Imagem: NTSB
Imagem: NTSB

O Bold Horizon partiu novamente em 18 de outubro para recuperar a fuselagem. A seção dianteira da fuselagem, que mede 37 pés (11,3 metros) de comprimento e pesa cerca de 15.500 libras (7.000 kg), foi recuperada na barcaça em 20 de outubro e levada para a costa do Havaí em 22 de outubro.

Imagem: NTSB
Imagem: NTSB

A seção traseira da fuselagem tem cerca de 63 pés (19,2 metros) de comprimento e pesa cerca de 48.500 libras (22.000 kg) vazia e cerca de 60.500 libras (27.400 kg) com os quatro contêineres de carga. Era significativamente maior e mais difícil de levantar do que a seção dianteira da fuselagem.

Depois que os engenheiros e operadores do ROV a manipularam para que as asas e a cauda não se separassem durante o levantamento, a fuselagem foi recuperada para a superfície e colocada na barcaça em 30 de outubro e levada para terra em 31 de outubro.

A carga e alguns componentes menores do avião também foram recuperados.

Imagem: NTSB

Ao longo do curso da operação de recuperação, o NTSB coordenou esforços com agências estaduais e federais, incluindo o Departamento de Saúde do Havaí; Departamento de Terras e Recursos Naturais do Havaí, Divisão de Recursos Aquáticos; e a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional, para garantir que quaisquer efeitos adversos no meio ambiente ou na vida marinha fossem minimizados.

Além disso, um observador de espécies protegidas estava a bordo para monitorar encontros com espécies listadas na Lei das Espécies Ameaçadas, incluindo falsas baleias assassinas, focas-monge havaianas e tartarugas marinhas. Nenhuma espécie ameaçada foi encontrada durante a operação.

O gravador de dados de voo (FDR) e o gravador de voz do cockpit (CVR) serão transportados para o laboratório do NTSB em Washington, onde serão limpos, secos, baixados e analisados.

Os investigadores farão uma documentação detalhada de ambas as seções da fuselagem, que permanecerão no Havaí.

Os motores foram documentados, encaixotados e serão devolvidos à barcaça Salta Verde para navegar de volta ao continente, onde cada um será submetido a um exame de desmontagem supervisionado por um investigador do NTSB.

A investigação, que deve ser concluída em 12 a 24 meses, incluirá um exame abrangente da estrutura do avião, motores, sistemas, manutenção, fatores de sobrevivência, desempenho do veículo, controle de tráfego aéreo, fatores humanos, supervisão federal e resposta a emergências.

Informações do NTSB

Sair da versão mobile