Rinocerontes voam pendurados de ponta-cabeça em helicópteros, na luta contra sua extinção

Rinoceronte é içado pelos pés em resgate por helicópteros na Namíbia. IMAGEM: JWD

A imagem acima pode, à primeira vista, incomodar pessoas preocupadas com o bem-estar animal. No entanto, na verdade, ela mostra uma prática cada vez mais defendida por protetores e ambientalistas na África: o transporte de rinocerontes-negros amarrados de cabeça para baixo em helicópteros de resgate.

A retirada de rinocerontes negros africanos de regiões ameaçadas pela caça ou pela destruição do seu habitat é considerada crucial para evitar a extinção da espécie. Mas quando o uso de caminhos e estradas não é possível, a aviação se torna uma aliada fundamental. E, ao contrário do que possa parecer, amarrar os animais de cabeça para baixo é mais seguro para a saúde do que fazê-los deitar sobre macas ou trata-los como carga em aviões.

Isso é o que revela um estudo do Cornell’s College of Veterinary Medicine, divulgado pela rede americana CNN. Nele, os ambientalistas citam que fazem uso do transporte aéreo de cabeça para baixo há anos porque é mais rápido, fácil e menos caro do que outras opções. Apenas mais recentemente ficou claro sobre como a prática afeta os rinocerontes.

Pela saúde e bem-estar animal

Os estudos, que tiveram o apoio do governo da Namíbia (lar de um terço dos rinocerontes da África), revelaram que, embora pareça uma experiência desconfortável, voar de cabeça para baixo é a melhor opção para a saúde do rinoceronte. Os pesquisadores mediram biomarcadores de respiração e ventilação, e descobriram que os rinocerontes tinham níveis mais elevados de oxigênio no sangue quando de cabeça para baixo em voo.

O transporte aéreo de um rinoceronte sempre requer a dedicação de, pelo menos, dois helicópteros. O primeiro, menor, lança um sedativo no animal. Quando adormecido, uma aeronave de resgate de grande porte é acionada para carregar o bicho.

Quando os rinocerontes são acomodados deitados, a maca adiciona peso adicional e o processo leva mais tempo, mobilizando uma equipe de até seis pessoas, que podem precisar demais de 30 minutos para finalizar o processo. Por outro lado, prender cordas às pernas e pés do animal pode levar apenas alguns minutos. Quando de trata de um animal de grande porte sob efeito de sedativos, a pressa é fundamental.

Segundo a CNN, atualmente, a maioria dos rinocerontes é transportada por rodovias e a maior parte dos transportes aéreos envolve viagens de cerca de 60 a 70 quilômetros, com duração máxima de 20 a 30 minutos. Mas isso se tornará mais comum no futuro, à medida que mais rinocerontes são movidos para inacessíveis, como a região de Kunene, no norte da Namíbia.

Ou seja, se você estiver pela África nos próximos anos, não estranhe se vir algum rinoceronte voador por aí.

Fabio Farias
Jornalista e curioso por natureza. Passou um terço da vida entre aeroportos e aviões. Segue a aviação e é seguido por ela.

Veja outras histórias