Simulação Baseada em PC: do treinamento de tripulação ao simples prazer de voar

Boeing 767-424ER na final em KSFO (San Francisco Intl.) – Imagem: Luiz Machado (07/2022)

Coluna “DO JOGUINHO AO SIMULADOR”por LUIZ MACHADO

A simulação baseada em PC, embora apontada por muitos na comunidade da aviação como excelente auxiliar de treinamento de voo, ainda tem muito a oferecer e crescer, extraindo o máximo proveito do Microsoft Flight Simulator, X-plane ou outros simuladores, com sugestões gerais, conselhos específicos e ferramentas práticas de treinamento, além, óbvio, do lazer.

Pilotos e estudantes podem usar as informações abrangentes para revisar conceitos específicos e se preparar para instrução formal de voo, enquanto pilotos certificados podem atualizar suas habilidades de navegação, aprender sobre aeronaves e procedimentos avançados e complementar seu voo no mundo real com horas adicionais nos céus virtuais.

Os materiais são igualmente adequados para instrutores de voo, que procuram novas ferramentas para usar em aulas de solo e briefings pré e pós-voo, e para amadores de aviação virtual, que receberão informações detalhadas sobre voar no mundo real.

Existem diversos ganhos ao se executar treinamento em ambiente simulado. A simulação permite que seus membros tenham maior proficiência e possam treinar procedimentos com um custo relativamente baixo, seja para buscar a certificação de piloto com exercícios simulando cenário do mundo real, ou até para treinamento em panes e CRM (Gerenciamento de Recursos de Equipe), complementando o treinamento em simuladores tipo CAE.

Porém, embora as simulações de voo baseadas em PC estejam disponíveis há quase 40 anos, há relatos que muitos pilotos, instrutores e escolas de voo não entendem a melhor forma de usar essas ferramentas em programas de treinamento de voo e proficiência de pilotos na aviação real.

Ter a correta compreensão do uso de ferramentas de simulação de situações do mundo real, aplicando no simulador exercícios práticos baseados em cenários e dicas de treinamento, pode ser relvante para uso desde alunos que buscam o certificado de piloto privado até a classificação de instrumentos e multimotor, dentre outras certificações de aeronautas.

Como exemplo, há anos a FAA (Administração Federal de Administração dos EUA) se utiliza de treinamentos para a aviação geral baseados nos Padrões de Treinamento da FAA para Indústria (FITS – FAA-Industry Training Standards), que orientam e têm foco em situações baseadas em cenários que enfatizam situações da realidade.

No texto da FAA, traduzido, lemos que “Em vez de treinar pilotos para passar no teste prático, o FITS se concentra em gerenciar habilmente os desafios do mundo real. O treinamento baseado em cenários é usado para aprimorar a tomada de decisões aeronáuticas dos pilotos da GA (Aviação Geral), o gerenciamento de risco e as habilidades de gerenciamento de recursos de piloto solo.”

Simulador como apoio à instrução – o exemplo do uso em autoescolas

O simulador de autoescola durante muito tempo foi alvo de críticas, mas a verdade é que ele pode ser muito necessário para a prova do Detran. Ainda mais a quem possui alguns receios na hora de conduzir um veículo, ou mesmo não tem nenhuma prática ao volante.

Porém, diante de alguns impasses, o Governo Federal ponderou alguns argumentos da sociedade e de especialistas em geral e decidiu por retirar a obrigatoriedade das aulas nos simuladores em todos os estados brasileiros – exceto no Rio Grande do Sul, que por meio de uma liminar, continua exigido.

Contudo, esse ainda é um recurso válido e pode ser usado para o desenvolvimento do motorista, em especial, nas primeiras aulas de direção.

As autoescolas no Brasil usam simuladores de carro que consistem em um mock-up (modelo semelhante a um veículo real) que permite ao aluno desenvolver habilidades no comando da direção de um veículo.

As dimensões do mock-up são similares às reais, portanto, é como se o aluno estivesse jogando um jogo/simulador muito realista, e o futuro motorista pode desenvolver novas habilidades técnicas e comportamentais ao volante. A função do simulador é dar mais segurança para o futuro condutor, ajudando-o a perder o medo de dirigir e treinando-o para a prática nas vias públicas.

No início, as aulas no simulador de carro funcionam (ou se assemelham) aos jogos de corrida no videogame ou em fliperamas, porém, um dos grandes trunfos do simulador de carros fica por conta do viés pedagógico e do objetivo de fazer com que o candidato vivencie situações reais do trânsito, analisando cada situação e passo do motorista.

Ao aderir a esse modelo de aprendizagem, a autoescola (ou também chamado de CFC – Centro de Formação do Condutor) oferece mais uma oportunidade para que o futuro condutor desenvolva a sua máxima capacidade de trafegar pelas vias públicas com mais segurança.

Além disso, na aplicação das autoescolas, o uso do simulador de carro, além de oferecer um ambiente seguro e realístico, também pode ser usado de forma terapêutica ou para auxiliar o condutor na superação traumas psicológicos, buscando ajudar aqueles que tenham alguma fobia, medo ou algum outro tipo de receio para conduzir o veículo.

De volta à aviação

MSFS2020 e Fenixsim A320 CFM – Decolando de Svalbard, Noruega – Imagem: Luiz Machado (08/2022)

Portanto, na aviação, a atual evolução dos equipamentos e verdadeiros cockpits fidedignos aos equipamentos reais, ou até os simuladores baseados em PC, em computadores nas residências, proporcionam, seja no ambiente de aprendizado mais básico, seja na instrução e check de condições anormais, a qualidade de habilitar e preparar pilotos ou tripulações com segurança.

Trata-se de um treinamento virtual, programado para explorar reações imediatas e conhecimentos técnico-operacionais, além de habilidades não técnicas, ambientalizando o piloto ao mesmo tempo que complementa os programas de treinamento, tais como os FITS aprovados pela FAA.

O uso de simuladores acompanha a história da aviação, visto que o Barril de Antoinette, em 1910, já auxiliava futuros aeronautas em uma estrutura não fixa que simulava alguns aspectos de voo. Há muitos anos, muitos pilotos fazem uso dos simuladores em treinamento buscando ampliar suas habilidades e, por que não, pelo simples prazer de voar.

Referências

– DA FONSECA, Matheus Muniz; MONTEIRO, Raul Francé. SIMULADORES DE VOO: A IMPORTÂNCIA DO SEU USO PARA A FORMAÇÃO DO AERONAUTA: FLIGHT SIMULATORS: THE IMPORTANCE OF THEIR USE FOR AIRCRAFT TRAINING.

– Revista Brasileira de Aviação Civil & Ciências Aeronáuticas, v.2, n.1, p.79-104, 2022.

– LUCAS, Felipe Rabay et al. Uso de simuladores de direção aplicado ao projeto de segurança viária. Boletim de Ciências Geodésicas, v.19, p.341-352, 2013.

– Federal Aviation Administration. FAA-Industry Training Standards (FITS). Online. Acesso em 22/08/22.


Luiz Machado
Luiz Machadohttp://linktr.ee/flightsimbrasil
Simuleiro há mais de 25 anos, Cpt LuizMachado é Professor Universitário e o streamer por trás do Flightsim Brasil (https://linktr.ee/flightsimbrasil). Fundador das maiores e mais antigas Linhas Aéreas Virtuais do Brasil, afiliadas da IVAO & VATSIM - incluindo a antiga TAM virtual, é também ex-coordenador de voo e de membros da IVAO Brasil.

Veja outras histórias

Todos os pneus do trem de pouso de um Boeing 737...

0
Durante a corrida de decolagem do 737, os pilotos abortaram o procedimento em alta velocidade e todos os pneus do trem de pouso estouraram.