Solução completa dos motores do 787 deve ficar para 2022; 32 aeronaves estão fora de operação

Há 32 Boeings 787 fora de operação por causa dos problemas com os motores Rolls-Royce Trent 1000-C, e o número subirá “um pouco”, segundo informações obtidas pelo Leeham News.




A Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) e a agência europeia (EASA) emitiram este mês as Diretrizes de Aeronavegabilidade (ADs) que limitam o ETOPS a 140 ou até 60 minutos dos 330 minutos certificados originalmente. Após as ADs e as inspeções, o número de aeronaves tiradas de serviço (AOG – Aircraft on Ground) subiu.

As limitações aumentam os custos dos voos transoceânicos e tornam os vôos transpolares impossíveis.

Mudança de software

A Rolls-Royce (RR) espera que uma mudança de software impeça que a potência máxima de operação contínua dos motores atinja um nível de ressonância que leve a rachaduras nas pás do compressor, fato que levou à restrição severa às operações de ETOPS. “Há um certo ponto de operações que, ao alterar o software para limitar a frequência de ressonância, pode evitar a ocorrência de rachaduras”, disse uma pessoa com conhecimento da situação ao Leeham. A limitação de software para permitir que os aviões voltem ao ar ou restaurem o ETOPS, mas nenhum cronograma foi estabelecido para essa possibilidade.

De volta no ar

A RR não possui um inventário de motores de reposição para enviar às companhias aéreas afetadas para que os 787s retornem ao ar. A Air New Zealand e a LATAM são os dois operadores mais afetados. A LATAM inclusive está utilizando, dentre as aeronaves arrendadas, um Boeing 747 da Wamos Air. British Airways, Virgin Atlantic, Norwegian, LOT e Ethiopian são outros afetados.

© Valentin Chesnau

A fabricante de motores está tentando acelerar os reparos nas centro de manutenção (MRO), mas eles estão trabalhando tanto com o Trent 1000 quanto com o Trent 700 que impulsiona os Airbus A330s. A capacidade nos MROs usuais está sendo sobrecarregada.

A RR está realizando ações intensiva para substituir peças-chave afetadas, mas a solução definitiva do defeito de projeto levará tempo. Todos os motores não devem ser completamente atendidos até 2022, mas as ações provisórias, como as ações intensivas e a proposta de software, devem restaurar temporariamente a frota aos voos ETOPS certificados.

 
Informações do Leeham News.
 

Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias