Swiss mais próxima de escolher o Airbus A350 ao invés do Boeing 787

A empresa aérea de bandeira da Suíça, a Swiss Airlines, do Grupo Lufthansa, está próxima de aposentar seu jato quadrimotor A340 e deverá optar por uma frota totalmente Airbus, pelo que indicam as fontes locais.

A empresa hoje conta com uma variada frota de jatos de longo curso, incluindo o Airbus A330-300, o quadrijato A340-300 e os Boeings 777-300ER. Um dos ícones da empresa é o A340-300, uma aeronave clássica e usada por poucas empresas atualmente, que na Swiss teve papel determinante para seu crescimento.

Como o passar do tempo, a hora deste jato “dizer adeus” está chegando, de modo que tem sido afirmado que a empresa escolheu pelo A350 como substituto. O modelo já é operado pela empresa-mãe, a alemã Lufthansa. “A nossa preferência é claramente pelo Airbus A350“, afirmou recentemente o CEO da Swiss, Dieter Vranckx.

A preferência pelo jato fabricado no país vizinho, a França, se daria pela largura e comprimento maior em relação ao Boeing 787 Dreamliner, favorecendo uma primeira-classe mais confortável, segundo reporta o aeroTelegraph.

Apesar da fala pública, uma encomenda não foi feita ainda (e não se sabe se haverá um pedido novo, já que a Lufthansa tem algumas dezenas de A350 a serem recebidos, os quais podem ser transferidos para a Swiss) e a empresa ainda continuará com o A340 durante algum tempo.

Pensando a longo prazo, uma das opções seria uma frota de A350-900 e A350-1000, substituindo assim também o 777-300ER, e se tornado uma empresa 100% Airbus, mas isso são apenas elocubrações.

Carlos Martins
Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

Em votação, aeronautas da Passaredo rejeitam proposta de Acordo Coletivo de...

0
Em votação realizada online nos dias 2 e 3 de fevereiro, os aeronautas da Passaredo (Voepass) associados ao Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) rejeitaram a proposta da empresa de Acordo Coletivo de Trabalho.