Tina fala de sua experiência pilotando o Airbus A220, concorrente do Embraer E2

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Imagem: SWISS

Como piloto da companhia aérea SWISS, Tina Schwabe pilota aviões de passageiros pela Europa desde 2015 e o faz no Airbus A220 da empresa desde junho de 2017. O modelo é concorrente direto do Embraer 195-E2, fabricado no Brasil.

Em 2016, a SWISS foi a primeira companhia aérea do mundo a colocar o A220 em serviço, e agora, cinco anos depois, aguarda a chegada do trigésimo A220, que, como todos os outros do modelo, é fabricado perto de Montreal, no Canadá.

Nesta ocasião, a empresa aérea baseada em Zurique decidiu conversar com Tina para saber como é para ela voar uma aeronave tão moderna, porque é tão especial e como realmente acontece a entrega de uma aeronave. Veja a seguir a entrevista feita pela SWISS com a piloto.

Avião Airbus A220-300 Swiss
Airbus A220-300 da SWISS – Imagem: Rosedale7175 / CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

Tina, você voa nosso A220 há quase quatro anos. Como é uma aeronave tão moderna para os pilotos?

Ele voa muito bem! O bom é que apesar de seus sistemas modernos e automação avançada (por exemplo, em termos de design de abordagem eficiente, fly-by-wire ou sistemas de suporte e monitoramento), você pode voar o A220 como um tipo mais antigo de aeronave.

Com isso quero dizer, por exemplo, o Avro RJ, o modelo antecessor do A220 na SWISS, que eu também voei. O A220 foi desenhado de tal forma que o ser humano é o centro das atenções e que pode ser pilotado manualmente de uma forma muito ágil com o suporte ideal destes modernos sistemas, o que é claro que é um grande prazer.

Quais são as características especiais do A220?

Existem algumas. Na história da aviação, o foco do desenvolvimento da segurança estava primeiro na máquina e depois no ser humano, mas agora o foco mudou para a cooperação de ambos. Isso significa que nós, pilotos, sempre temos o poder de decisão, mas temos o suporte ideal da aeronave.

Além disso, o A220 foi projetado de forma otimizada para sua área de operação: para uma aeronave de curto alcance, ele tem um alcance muito bom, mesmo com sua capacidade de carga e do peso total dos passageiros. Da Suíça, por exemplo, pode voar totalmente carregado para Marrakech, Cairo ou Tel Aviv.

Ao mesmo tempo, também pode pousar em pistas muito curtas e estreitas, como London City e Florence. Em relação à cidade de Londres, vale a pena mencionar a aproximação particularmente íngreme para a qual o A220 também é certificado – existem muito poucos tipos de aeronaves que podem fazer isso. Portanto, ele pode ser usado de muitas maneiras diferentes.

Falando em desempenho ambiental, o A220 desempenha um importante papel inovador em toda a nossa frota. Você pode explicar por quê?

Os motores do A220 com uma relação alta de “bypass” são particularmente notáveis. Essa tecnologia chamada de “fan de alto bypass” permite que o empuxo necessário seja fornecido com mais eficiência.

Em comparação com modelos anteriores, isso resulta em consumo de combustível significativamente menor e, portanto, menores emissões de CO2 na mesma medida (redução de mais de 20%). Os materiais leves usados ​​em peças individuais da aeronave também desempenham seu papel. Essa quantidade reduzida de CO2 corresponde a aproximadamente 7.000 voos entre Zurique e Londres por ano.

O que os nossos clientes apreciam nos A220s? Você tem algum feedback sobre isso?

Há muitos comentários positivos, principalmente diretamente para nossa tripulação de cabine. Nossos viajantes acham o ambiente dentro da cabine muito agradável, por exemplo, pelos confortáveis ​​bancos, que também oferecem mais espaço para as pernas.

As janelas maiores também tornam a cabine mais iluminada e a altura do ambiente dá a sensação de mais espaço. Fico sempre feliz quando voo como passageira no A220 e me divirto muito.

Em 2017, você participou da entrega do nono A220. Como é a aceitação de tal aeronave no local no Canadá?

A aceitação e os voos de teste no local são realizados por uma equipe técnica da SWISS composta por um piloto de aceitação e colegas da engenharia, por exemplo, para a verificação final da cabine. Se tudo estiver em ordem, uma equipe de transferência de Zurique assume o comando para levar a nova aeronave “para casa”. Em 2017 tive a sorte de fazer parte dessa equipe.

A tomada de posse de uma aeronave e o sobrevoo são experiências muito especiais e para mim foi uma honra incrível, pois certamente será um evento único e memorável ao longo da minha carreira. Pude realizar pessoalmente a decolagem na fábrica de aeronaves em Mirabel.

Claro, o primeiro voo próprio através do Atlântico também foi muito especial, algo que a maioria dos pilotos só experimenta com a qualificação de longo alcance. A chegada em Zurique também foi um destaque absoluto, a cereja do bolo, por assim dizer, operada pelo comandante.

O A220 é uma aeronave de curto alcance. Como ele consegue voar do Canadá para a Suíça?

Em termos de alcance, não há nenhum problema, pois trazemos a aeronave para casa quase vazia, sem nenhum peso adicional, como passageiros ou carga, para que possamos voar muito longe.

Quando chegamos a Zurique em meu voo de entrega, ainda teríamos querosene suficiente no tanque para mais cerca de duas horas de voo. Só a rota do voo é um pouco especial, porque para uma aeronave de pequeno curso você sempre tem que conseguir chegar ao aeroporto em uma hora, o que obviamente não é tão fácil no Atlântico. Portanto, a rota de sobrevoo passa pelo norte do Canadá, Groenlândia, Islândia e, finalmente, via Escócia até a Europa Central.

Qual é a sensação de ser a primeira a pilotar uma aeronave totalmente nova?

É uma sensação muito especial, quase um pouco surreal. Saber que você pode ser a primeira a operar o sidestick e pressionar os botões também é muito impressionante e faz com que você olhe com humildade de vez em quando durante o voo de cruzeiro para Zurique. Um grande privilégio, que é completado pelas excelentes vistas sobre a Groenlândia e a Islândia.

Imagem: SWISS

O que acontece depois que o avião pousar “em casa” em Zurique?

Isso depende totalmente das festividades ocasionais. Às vezes há uma recepção pelo corpo de bombeiros do aeroporto com canhões de água. Após pousar e estacionar em frente ao hangar, a aeronave é entregue à alfândega e, após o desembaraço alfandegário bem-sucedido, normalmente pode entrar em serviço programado alguns dias depois. Dependendo da aeronave, poderá ser batizada previamente, como será o caso do nosso trigésimo A220. Mas não vou revelar o nome ainda.

Qual é a sua experiência mais memorável relacionada ao A220?

São tantas as memórias e os voos maravilhosos que é difícil para mim escolher, mas o voo de entrega é certamente o destaque. O treinamento de pouso, o primeiro pouso real na aeronave na “vida real” ao invés do simulador, também está sempre presente.

Outras grandes experiências incluem aproximações a destinos idílicos, como Sylt ou as ilhas gregas, ou uma aproximação de inverno a Kittilä / Finlândia em uma pista coberta de neve. Também tenho muitas lembranças agradáveis ​​e interessantes do Aeroporto London City.

Informações da SWISS

Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias