Todas as decolagens nos EUA ficam suspensas por horas após falha em sistema

A falha num sistema de informações de voo nos EUA, supostamente causada por um ataque hacker, manteve todas as decolagens suspensas por um longo período nessa manhã de quarta-feira.

Divulgação – Aeroporto de Orlando

O aviso foi dado pela própria FAA, a Agência Federal de Aviação Civil dos EUA, responsável por emitir os chamados NOTAM, que são avisos aos aeronavegantes sobre mudanças temporárias e modificações relacionadas aos aeroportos e espaço aéreo.

Antes de cada decolagem, o piloto ou a empresa operadora da aeronave deve checar os NOTAMs para verificar informações pertinentes, como restrições de pouso, pistas fechadas, obras nos aeroportos, etc.

Sem esta informação, o voo não pode decolar, e é por isso que a FAA emitiu um chamado Ground Stop, que é quando uma ordem é dada para todos os voos não decolarem. Uma ordem desta foi dada no 11 de setembro de 2001, por exemplo, quando os EUA foram atacados pela Al Qaeda.

Segundo a agência, todas as decolagens estariam suspensas até as 9h da manhã no horário da costa leste (11h00 no horário de Brasília). A FAA havia dito que detectou o problema e estava reiniciando o sistema para que ele pudesse operar corretamente.

Os voos que tinham decolado antes das 7h da manhã no horário da costa leste seguiam suas rotas normalmente, já que foi possível checar os NOTAMs no sistema antes da partida.

A plataforma de rastreamento de voos FlightRadar24 apontou que existiam ao menos 700 voos no ar durante o Ground Stop.

Mais tarde, pouco antes do horário indicado, a FAA publicou nova atualização, informando que o sistema havia sido reestabelecido e as operações estavam sendo retomadas gradativamente.

Voos para o Brasil também foram afetados. Os serviços da Azul, AD8703 de Fort Lauderdale para Viracopos e AD8709 de Orlando para Viracopos, tiveram suas decolagens atrasadas. Estes eram os únicos voos para o Brasil que decolariam durante o período da restrição.

Carlos Martins
Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias