Tráfego aéreo nos aeroportos da América Latina e Caribe encosta no patamar de 2019

Os dados mais recentes do movimento aeroportuário na América Latina e Caribe, apurados no final de setembro pelo Conselho Internacional de Aeroportos da América Latina e Caribe (ACI-LAC), mostram que em agosto de 2022 a região registrou tráfego aéreo apenas 1,7% inferior ao mesmo período de 2019.

Apesar de ainda não ter alcançado os números anteriores à pandemia, este é o melhor desempenho dos aeroportos da região neste retorno dos passageiros às viagens aéreas.

“É espetacular a retomada da América Latina e Caribe até aqui”, comemorou Rafael Echevarne, diretor-geral do ACI-LAC, durante o primeiro dia da Assembleia e Conferência Anual do Conselho Internacional de Aeroportos da América Latina e Caribe (ACI-LAC Annual Assembly Conference & Exhibition 2022), que este ano acontece em Buenos Aires, na Argentina.

Segundo Echevarne, o Brasil apresentou um resultado ainda 5% abaixo ao do período anterior à pandemia. República Dominicana e México foram os países que mais se recuperaram, com altas de 17% e 11%, respectivamente, em relação a 2019.

“Países que nunca fecharam fronteiras, como o México, e que levantaram há mais tempo as restrições, retomaram o tráfego aéreo mais rápido. E a tendência agora é de expansão, porque desde o dia 1º de outubro não há mais restrições para entrada de passageiros nos países da América Latina e Caribe, ou seja, não há razões relacionadas à Covid-19 que dificultem as viagens na região”, completou Echevarne.

O ministro dos Transportes da Argentina, Alexis Guerrera, que esteve presente na abertura da conferência, comentou que, desde 2019, por causa da situação econômica do país e, depois, por causa da pandemia, todas as obras do setor aeroportuário foram impactadas. No entanto, os investimentos foram retomados este ano em aeroportos de todo o país.

“Esta é uma mostra da importância da conectividade para o desenvolvimento das economias regionais e da importância que o governo argentino dá à indústria aeronáutica e ao desenvolvimento do turismo”, disse Guerrera.

Anfitrião do evento, Martin Eurnekian, CEO da Corporación América Airports e presidente da AA2000, informou que em 2022 e 2023 serão investidos 400 milhões de dólares na modernização dos aeroportos que a empresa opera.

“A readequação dos terminais e a segurança das operações são os pilares que motivam nossos investimentos. E para os próximos cinco anos temos projetados investimentos de 750 milhões de dólares”, completou o CEO.

Ezequiel Barrenechea, presidente do ACI-LAC e diretor da Corporación América, também esteve presente e destacou dados do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), segundo os quais o crescimento do setor da aviação na região da América Latina e Caribe vai gerar a necessidade de investimentos de 146 bilhões de dólares nos próximos 20 anos.

“Ainda temos muitos objetivos prioritários a cumprir e só teremos sucesso se trabalharmos de forma conjunta com todos os atores do setor, isto é, aeroportos, companhias aéreas, governos, cada qual com seus representantes”, disse Barrenechea.

Já Luis Felipe de Oliveira, diretor-geral do ACI World, destacou que a indústria sai da pandemia com uma variedade de desafios complexos e multidisciplinares e um deles é recuperar os trabalhadores que saíram do setor quando houve a queda do volume de viagens.

Segundo ele, “50% dos postos de trabalho da aviação foram perdidos durante a pandemia e uma das prioridades hoje é investir na busca por mão de obra qualificada. Sabemos que a indústria vai duplicar nos próximos 20 anos e precisamos de novos profissionais que sejam atraídos para o nosso negócio”.

A Assembleia e Conferência Anual do Conselho Internacional de Aeroportos da América Latina e Caribe é o principal evento para o mercado aeroportuário da região, reunindo as principais autoridades aeroportuárias do setor e mais de 300 executivos e especialistas em aviação.

No primeiro dia desta edição de 2022, também foram destaque discussões sobre: turismo sustentável; regulação aeroportuária; a integração dos veículos de mobilidade aérea avançada aos aeroportos; a preparação da indústria para um futuro com zero emissões de carbono; as tecnologias que otimizam a operação aeroportuária; as oportunidades para a aviação elétrica; e de que forma redes sociais como o WhatsApp contribuem para a melhoria da experiência do passageiro no aeroporto.

Informações do ACI-LAC

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Ouça a conversa dos pilotos da Esquadrilha da Fumaça em sua...

0
Depois de uma breve paralisação devido às férias, a Esquadrilha da Fumaça, a famosa equipe de exibição de aeronaves da Força Aérea Brasileira