Transmissão mostra ao vivo bonita cena de arremetida em Congonhas a segundos do pouso

Embora muitos passageiros tenham certo receio de arremetidas em seus voos, a quem gosta de aviação e entende que se trata de um procedimento de segurança, a cena é sempre interessante e bonita de se ver.

Foi o que ocorreu nessa semana, quando o canal “Golf Oscar Romeo” no YouTube realizava uma de suas lives direto do Aeroporto de Congonhas, na capital paulista, e registrou o momento de uma arremetida a poucos segundos do pouso:

Como visto na gravação acima, a bela cena da aeronave alterando o procedimento de aproximação e iniciando a subida foi captada por volta das 15h30 da quinta-feira, 5 de janeiro.

O Boeing 737-800 de matrícula PR-GZH chegava no voo G3-1225, da Gol Linhas Aéreas, proveniente de Porto Alegre, e seria o último a pousar pela cabeceira 35L de Congonhas, já que a direção do vento havia mudado, favorecendo operações no sentido contrário.

Porém, por essa condição meteorológica não favorável, os pilotos optaram por desistir do pouso e iniciar o procedimento de aproximação perdida, relatando 5 nós (9 km/h) de vento de cauda. A alta umidade do ar ainda resultou em um toque especial a mais nas imagens, com as “fitinhas” de condensação sendo deixadas para trás pelas asas do Boeing 737.

Cerca de 20 minutos após a arremetida, os pilotos retornaram a aeronave para a aproximação para a cabeceira 17R e completaram o pouso.

A título de curiosidade, no dia anterior o canal já havia publicado um vídeo de outro momento, nessa mesma semana, em que as operações também foram alteradas devido à mudança de direção do vento em Congonhas. Os procedimentos adotados podem ser vistos na gravação a seguir:

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

FAB explica como os paraquedas são essenciais no lançamento de cargas...

0
Para que mais suprimentos cheguem às aldeias indígenas, EB e FAB realizam trabalho conjunto utilizando paraquedas para o lançamento de cargas.