Veja tudo que disse Richard Branson ao visitar os destroços do Antonov AN-225 e a Ucrânia

O bilionário empresário britânico Richard Branson, empreendedor dos setores aéreo e espacial através do Grupo Virgin (Virgin Atlantic, Virign Orbit, Virign Galactic, etc) publicou na última quarta-feira, 29 de junho, um texto em seu blog oficial falando sobre uma visita que fez à Ucrânia e aos destroços do maior avião do mundo, o Antonov AN-225 Mriya, destruído no Aeroporto Gostomel (ou Hostomel) durante a invasão russa.

Segundo Branson, seguindo um convite do presidente ucraniano Volodymyr Zelensky, ele viajou para Kyiv (Kiev) para se encontrar com o líder do país, além do ministro das Relações Exteriores Dmytro Kuleba e um grupo de líderes empresariais ucranianos.

Na viagem, aproveitou para visitar alguns dos locais de ataques russos durante os mais de 130 dias desde o início da “terrível invasão de Putin”, segundo suas palavras.

Veja a seguir tudo o que Branson disse em sua publicação sobre a visita.

“Meu principal objetivo ao ir a Kyiv foi conhecer e ouvir os ucranianos, entender seus medos e preocupações e também aprender o que as empresas, em parceria com a sociedade civil e os governos, podem fazer para apoiar a Ucrânia de maneira mais eficaz.

Viajei da Polônia, onde me encontrei com ONGs e líderes empresariais, para Kiev. Mais uma vez, minha querida amiga Shannon Sedgwick Davis se juntou a mim, uma conselheira do The Elders, que dedicou sua carreira a impedir atrocidades em massa em todo o mundo.

Entrar em um país em guerra é uma experiência humilhante e emocional. Lembro-me muito bem de Kyiv das visitas anteriores em 2014 e 2015. É uma bela capital, com uma impressionante paisagem urbana histórica construída ao longo das margens do majestoso Dnieper. Mas as cicatrizes da guerra são inevitáveis ​​em toda esta cidade em expansão, principalmente nas carcaças incendiadas de edifícios residenciais atingidos por ataques aéreos russos indiscriminados e ataques de mísseis.

O corajoso povo de Kyiv está fazendo muito para manter alguma forma de rotina normal em seu dia-a-dia, apesar dos horrores que tiveram de suportar nos últimos quatro meses. Entrei em um café e conversei com pessoas que encontramos nas ruas tentando continuar com suas vidas diárias – um forte contraste com as primeiras semanas da guerra e as condições horríveis no leste da Ucrânia.

Enquanto milhões fugiram da Ucrânia para buscar paz e abrigo em países vizinhos, muitos dos que permanecem, jovens e velhos, estão fora de casa até o toque de recolher e as ruas ficarem desertas. Não tenho nada além de admiração pela resiliência e espírito dos ucranianos, sabendo que muitos deles perderam entes queridos, amigos e vizinhos para essa agressão russa não provocada. Lamentamos aqueles que foram mortos, mas a carga emocional sobre os vivos deve ser imensa.

Minha primeira visita ao local me levou a uma área residencial atingida por um ataque de mísseis russos há apenas alguns dias. Olhando para as ruínas de um jardim de infância incendiado, longe de qualquer tipo de alvo de relevância estratégica, fica claro que esses tipos de ataques não são involuntários e arbitrários. Eles fazem parte de uma estratégia deliberada para espalhar o medo e o terror entre a população civil da Ucrânia. Espero que os perpetradores russos desses atos chocantes sejam responsabilizados.

Um pouco mais tarde, visitei o Aeroporto Hostomel, a uma curta distância de carro ao norte do centro de Kyiv. Cenário de intensos combates nos primeiros dias da invasão, este aeródromo abrigou o famoso Antonov AN-225, o maior avião de transporte do mundo e orgulho da aviação ucraniana.

Carinhosamente apelidado de Mriya (Sonho), este magnífico avião de seis motores foi destruído na batalha pelo controle do aeroporto, e tudo o que resta é um destroço queimado.

Mas havia pessoas trabalhando duro tentando salvá-lo – eles já decidiram reconstruí-lo. Espero que o legado de Mriya perdure e que a comunidade internacional encontre maneiras de ajudar a Ucrânia a reconstruir não apenas este aeródromo, mas trazer a indústria aeroespacial da Ucrânia de volta à vida.

Quando se trata de apoiar a Ucrânia, todos os esforços são importantes. Seja seus negócios e fundações, incluindo nossa própria Virgin Unite, trabalhando com Howard G. Buffett, apoiando organizações humanitárias locais, ou seja a determinação política em todo o mundo de impor sanções a Putin e seus comparsas e fornecer armamento e treinamento urgentemente necessários.

Almocei com o ministro das Relações Exteriores Kuleba e depois conheci um grupo de empresários ucranianos para uma conversa no metrô. É difícil imaginar contra o que eles estão enfrentando, e estou admirado com sua motivação e dedicação para tornar possível o que parece impossível: manter a economia da Ucrânia funcionando e seu país aberto para negócios em meio à maior ameaça que o país já enfrentou.

Tive a oportunidade de dizer algumas palavras e queria transmitir o que acho que muitos de nós no Ocidente sentimos: todos os dias, os ucranianos estão lutando e morrendo por todo o mundo livre. O mínimo que o resto do mundo pode fazer é dar nosso apoio inabalável e incondicional até que o último soldado russo deixe o território ucraniano.

Qualquer outra coisa seria uma derrota – não apenas uma derrota para o direito da Ucrânia de escolher livremente seu próprio destino, mas também para o estado de direito e a soberania das nações.

O presidente Zelensky e eu nos encontramos mais tarde para uma reunião pessoal com o ministro das Relações Exteriores Kuleba e alguns membros do gabinete. O contraste com nossa primeira conversa, apenas dois dias antes da invasão, não poderia ser maior. Aos olhos do mundo e de seu próprio povo, o presidente emergiu como um raro líder em tempos de guerra que projeta tanto um espírito inquebrantável quanto uma determinação infatigável de enfrentar essa guerra e repelir a agressão.

Saindo da Ucrânia, levará algum tempo para processar a enxurrada de impressões e insights. Mas está claro para mim o que é necessário na Ucrânia – vou acompanhar nos próximos dias e compartilhar mais. Continuo esperançoso de que a Ucrânia e seu maravilhoso povo prevaleçam e vençam esta guerra, assumindo o controle de seu território, sua soberania e seu caminho futuro. Mas, mais do que nunca, todos nós temos que nos unir e confrontar a ameaça que a Ucrânia e o mundo enfrentam.”

Após a visita de Branson, Davyd Arakhamia, também conhecido pelo pseudônimo David Braun, um político e empresário georgiano ucraniano nascido na Rússia, e membro do partido político Servo do Povo na Ucrânia, fez comentários sobre as conversas com o empresário a respeito da indústria aérea e espacial do país.

O texto a seguir foi publicado por Braun em seu canal no Telegram, acessado pelo AEROIN nesta quinta-feira, 30 de junho:

“Nosso An-225 Mriya (Sonho) é uma lenda mundial e um dos símbolos da Ucrânia. É a única aeronave desse tipo a estabelecer 240 recordes mundiais.

Os ocupantes russos podem destruir tudo, mas nunca o nosso Sonho. É por isso que já estamos trabalhando em um projeto para construir uma nova aeronave que baterá muitos mais recordes após a guerra, e ainda será ainda mais avançada, construída sobre os modernos equipamentos digitais que permitirão que ela se torne ainda mais forte.

Isso e nossas perspectivas de cooperação no espaço é algo que discutimos hoje com Richard Branson. Richard expressou sua prontidão para ajudar de qualquer maneira que pudesse e ficou agradavelmente chocado com nosso otimismo e o fato de que, mesmo nos momentos mais difíceis, sonhamos em dar saltos na construção aeroespacial.

E tenho certeza que vamos conseguir, porque nada é impossível para um país que acredita em si mesmo, na sua força e no seu futuro. Não há dúvida de que os melhores tempos para nossa tecnologia aeronáutica e espacial ainda estão por vir.”

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Confira o voo do enorme modelo de avião Airbus A380 que...

0
A gravação abaixo mostra um pouco da preparação do jato, a decolagem, algumas passagens baixas em alta velocidade e o belo pouso.