Início Empresas Aéreas

Voa pela primeira vez o novo modelo de aeronave que a Gol vai usar no Brasil

Imagem: Vertical Aerospace, via YouTube

A Vertical Aerospace, empresa aeroespacial e de tecnologia especializada na aviação de emissão zero, anuncia nesta segunda-feira, 26 de setembro, que sua aeronave VX4 decolou pela primeira vez neste último fim de semana.

Com o voo deste eVTOL (sigla para aeronave elétrica de decolagem e aterrissagem na vertical), um protótipo em escala real e pilotado, a Vertical afirma que se torna a primeira empresa britânica a iniciar ensaios em voo com uma nova aeronave em mais de 20 anos, com base em pesquisas de historiadores da aviação.

Espera-se que o programa de ensaios em voo continue por vários meses, completando diferentes etapas que envolverão atingir altitudes e velocidades mais altas e demonstrar a transição do voo vertical para o horizontal.

As 6 etapas do programa de ensaio em voo, com 4 já concluídas – Imagem: Vertical Aerospace

Engenheiros e técnicos de voo assistiram enquanto o piloto-chefe de ensaios, Justin Paines, assumiu os controles para a decolagem inaugural da aeronave, com os oito conjuntos de hélices levantando a aeronave do solo no impulso de pairar, enquanto amarrada ao solo para segurança.

Após completar a missão, Paines disse: “Este teste representou o culminar de muitos meses de preparação por uma equipe enorme, e estar no controle do VX4 pela primeira vez foi uma honra e um momento de orgulho para todos nós”.

A empresa afirma que, ao contrário de muitos de seus concorrentes, decidiu realizar seus primeiros ensaios em voo com um piloto a bordo para provar que poderia atender aos mais rigorosos padrões de segurança. Para isso, a Vertical Aerospace recebeu aprovação regulatória na forma de uma “Permissão para Voar” da Autoridade de Aviação Civil (CAA) do Reino Unido, após demonstrar que o teste poderia ser realizado com segurança.

A licença e os resultados positivos desses primeiros ensaios permitem que as equipes da Vertical avancem com confiança em sua missão de certificar o VX4 até 2025. A empresa planeja que a aeronave leve um piloto e quatro passageiros e tenha um alcance de até 100 milhas (160 km) com a capacidade de cruzeiro a velocidades de cerca de 150 milhas por hora (240 km/h) e uma velocidade máxima de 200 milhas por hora (322 km/h).

A empresa já recebeu mais de 1.400 pré-encomendas condicionais de algumas das principais companhias aéreas, operadoras, locadoras e grupos turísticos do mundo, incluindo Virgin Atlantic, American Airlines, Japan Airlines e Air Asia, e anunciou recentemente que a American Airlines se comprometeu condicionalmente a fazer um pré-pagamento para suas primeiras 50 entregas do VX4, um forte voto de confiança da indústria.

No Brasil, a Gol Linhas Aéreas, em conjunto com o Grupo Comporte, uma entidade de seu acionista controlador, anunciou, em setembro do ano passado, que assinaram um protocolo de intenções não-vinculante com a grande empresa de leasing Avolon para aquisição e/ou arrendamento de 250 aeronaves VX4.

E mais recentemente, em junho deste ano, foi anunciada uma grande parceria, entre a Avolon, a Corporación América Airports, a Gol, o Grupo Comporte e a Vertical Aerospace, com o objetivo de explorar os requisitos de infraestrutura para trazer o voo de passageiros em eVTOL para o Brasil nesta década.

Concepção gráfica do VX4 nas cores da Gol – Imagem: Avolon
Concepção gráfica do VX4 nas cores da Gol – Imagem: Vertical Aerospace

Stephen Fitzpatrick, fundador e CEO da Vertical, também comentou sobre o sucesso do primeiro voo: “Este momento representa um pequeno passo para a Vertical Aerospace, mas é um salto gigantesco para a aviação britânica. Por mais de 100 anos, o Reino Unido tem sido líder global em aviação e hoje, no século 21, a Grã-Bretanha está liderando o mundo no desenvolvimento de aeronaves com zero carbono”.

O programa de testes da Vertical também é apoiado pelo Aerospace Technology Institute, um programa da indústria do governo do Reino Unido projetado para promover tecnologia transformadora no transporte aéreo.

Com informações da Vertical Aerospace