17,6 mil novos aviões: essa é a previsão da Airbus apenas para a Ásia-Pacífico até 2040

A350-900 – Imagem: Airbus

Nos próximos 20 anos, até 2040, o crescimento do tráfego de passageiros de 5,3% ao ano e a aposentadoria acelerada de aeronaves mais antigas com menor consumo de combustível farão com que a região da Ásia-Pacífico exija 17.620 novas aeronaves de passageiros e cargueiros.

Essa é a previsão apresentada hoje, 14 de fevereiro, pela Airbus, na qual quase 30% destes novos aviões substituirão os modelos mais antigos, menos eficientes em termos de combustível.

Em uma região que abriga 55% da população mundial, China, Índia e economias emergentes como Vietnã e Indonésia serão os principais motores de crescimento na Ásia-Pacífico. O PIB crescerá 3,6% ao ano em comparação com a média mundial de 2,5% e dobrará em valor até 2040.

A classe média, que é a mais propensa a viajar, aumentará de 1,1 bilhão a 3,2 bilhões e a propensão das pessoas a viajar está definida para quase triplicar até 2040.

Da demanda por 17.620 aeronaves, 13.660 estão na categoria Small como a Família A220 e A320. Nas categorias de médio e longo alcance, a Ásia-Pacífico continuará a impulsionar a demanda com cerca de 42% do total global. Isso se traduz em 2.470 aeronaves de categoria média e 1.490 de grande porte.

O tráfego de carga na Ásia-Pacífico também aumentará 3,6% ao ano, bem acima da média global de 3,1%, e levará a uma duplicação do frete aéreo na região até 2040. Globalmente, o frete expresso impulsionado pelo comércio eletrônico crescerá a uma taxa ainda mais acelerada, de 4,7% ao ano.

No geral, refletindo esse forte crescimento nos próximos 20 anos, haverá a necessidade de cerca de 2.440 cargueiros, dos quais 880 serão de produtos novos de fábrica, enquanto os demais serão de conversões de aviões de passageiros para cargueiros.

“Estamos vendo uma recuperação global no tráfego aéreo e, à medida que as restrições de viagem são afrouxadas, a região da Ásia-Pacífico se tornará um de seus principais impulsionadores novamente. Estamos confiantes em uma forte recuperação no tráfego da região e esperamos que atinja os níveis de 2019 entre 2023 e 2025”, disse Christian Scherer, diretor comercial e chefe da Airbus International. “Com um foco cada vez maior em eficiência e aviação sustentável na região, nossos produtos estão especialmente bem posicionados.”

“Nossos produtos aeronáuticos já são certificados para voar com uma mistura de 50% SAF (Combustível Sustentável de Aviação), com aumento de 100% em 2030. Além disso, nosso recém-lançado A350F oferece ganhos de eficiência de 10 a 40% em relação a qualquer outro cargueiro de grande porte, existente ou previsto, tanto em termos de consumo de combustível quanto em emissões de CO2”, complementa Christian.

Globalmente, nos próximos 20 anos, haverá necessidade de cerca de 39.000 aeronaves de passageiros e cargueiros recém-construídas, das quais 15.250 serão para substituição.

Como resultado, até 2040 a grande maioria das aeronaves comerciais em operação será de última geração, acima dos 13% atuais, melhorando consideravelmente a eficiência de CO2 das frotas de aeronaves comerciais do mundo.

Informações da Airbus

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Mais 8 aviões puderam decolar do Aeroporto Salgado Filho, de Porto...

0
Controladores de tráfego aéreo se deslocaram para apoiar as decolagens de mais oito aeronaves de pequeno porte que estavam retidas.