Esquentou o clima entre a American Airlines e os seus pilotos, que alegam cansaço

A Allied Pilots Association (APA), o sindicato que representa os quase 15.000 pilotos da American Airlines, anunciou ontem (8) planos para demonstrar sua insatisfação com as políticas da empresa, que podem chegar a até uma greve generalizada.

Conforme relatado pela CNBC, o sindicato fará piquetes em vários aeroportos em protesto contra a pesada carga de trabalho e a falta de hotéis para as tripulações. Esses piquetes serão os últimos de uma lista de sinais que explicam a crescente tensão entre a força de trabalho e as companhias aéreas.

O sindicato anunciou em um comunicado que planeja realizar protestos nos principais hubs da American: os aeroportos de Miami e Dallas. Outros seguiriam “nas próximas semanas”. Em nota dirigida a seus associados, o sindicato afirmou que “a companhia aérea deve implantar um cronograma que respeite as necessidades básicas de seus pilotos para manter as margens de segurança que caracterizam o setor”.

Se não funcionar, os empregados prometem fazer uma greve geral.

No mês passado, a Southwest Airlines Pilots Association anunciou que estava considerando medidas semelhantes às propostas pela APA. O presidente do sindicato, Casey Murray, anunciou que esses planos ainda estão em estudo. As empresas têm lutado para lidar com a demanda durante os meses de férias, buscando gerar receita após o prolongado desastre da pandemia.

Informações do Aviacionline

Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

O avião criado para jamais ser usado, mas que está de...

0
Recentemente, no dia 28 de julho de 2022, pousou na Base Aérea de Brasília o Boeing E-4B Nightwatch, uma variante do versátil Boeing 747