Início Variedades

Tensão no Estreito de Taiwan: mais companhias aéreas cancelam ou desviam seus voos

Imagem: Masakatsu Ukon / CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

Mais companhias aéreas cancelaram ou desviaram seus voos nos últimos três dias para evitar os exercícios militares que a China está realizando no Estreito de Taiwan após a visita da presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, a Taipei.

As mudanças operacionais ocorreram depois que Pequim alertou as companhias aéreas para evitar seis “zonas de perigo” nas quais o Exército de Libertação Popular está realizando exercícios destinados a “defender a soberania e a integridade territorial”, depois que os oficiais dos EUA visitaram Taiwan na terça-feira, apesar das advertências do governo chinês.

Relata o Aviacionline que, a partir desse mesmo dia, a China mandou aviões de combate sobre o Estreito de Taiwan e multiplicou os exercícios de treinamento militar em torno de toda a nação insular. Ontem, quinta-feira, 4 de agosto, disparou mísseis como parte da maior manifestação na área até hoje.

Nesse contexto, muitas companhias aéreas optaram por suspender vários de seus voos para Taipei. Outros tiveram que ser desviados de sua rota original para evitar o espaço aéreo próximo, que estava fechado ao tráfego civil. A localização geográfica do estreito torna as viagens entre o Sudeste e o Nordeste da Ásia especialmente difíceis.

Os principais afetados

A empresa sul-coreana Korean Air cancelou todos os seus voos para Taiwan programados para sexta e sábado. Por sua vez, a Asiana Airlines confirmou a suspensão de seus serviços para Taipei previstos para sexta-feira.

Além disso, a Singapore Airlines e sua subsidiária de baixo custo Scoot cancelaram todos os quatro voos programados entre Cingapura e Taipei na sexta-feira. Ambas afirmaram que acompanhariam a situação em caso de novas mudanças na situação.

Por outro lado, as japonesas ANA e Japan Airlines continuaram a operar os seus voos conforme planeado, mas com alterações nas rotas dos voos para a capital de Taiwan, Hong Kong e Sudeste Asiático. Da mesma forma, a Cathay Pacific e a Philippines Airlines relataram que suas operações evitariam o espaço aéreo afetado e que a mudança poderia resultar em tempos de voo mais longos.

A China Airlines e a EVA Airways completaram seus voos de e para Taiwan na manhã de sexta-feira, assim como as transportadoras de carga americanas FedEx e United Parcel Service (UPS), embora todas tenham evitado áreas onde estão ocorrendo exercícios militares.

Finalmente, o regulador da aviação civil do Vietnã alertou as companhias aéreas nacionais para evitar sobrevoar a área.

Pode-se esperar que o impacto do aumento das tensões no Estreito de Taiwan sobre a indústria seja menor do que o produzido em outras regiões com espaços aéreos conflitantes, devido ao menor tamanho da área afetada. Nesse sentido, as consequências seriam menores do que as causadas pelas restrições de espaços aéreos como os da Ucrânia, Rússia, Coreia do Norte, Afeganistão, Iraque ou Síria.

Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.