Voo é tirado da rota para o governo bielorrusso prender um jornalista

O Governo da Bielorrússia teria obrigado um avião de passageiros da Ryanair, que viajava de Atenas, na Grécia, a Vilnius, na Lituânia, a desviar sua rota quando já estava quase saindo do espaço aéreo bielorrusso. A mudança de curso e o pouso em Minsk teriam por finalidade a prisão de um blogueiro opositor, informou o Washington Post

Ex-editor-chefe do Nexta, um canal considerado extremista na Bielorrússia, Roman Protasevich foi detido ainda a bordo do jato Boeing 737, que fez um pouso de emergência na capital bielorrussa, informou o centro de direitos humanos de Vesna.

Apesar de autoridades locais terem citado que o desvio teria ocorrido devido a uma ameaça de bomba a bordo, a justificativa do pouso em Minsk não faz sentido, já que a aeronave estava muito mais próxima de seu destino final (Vilnius), como mostra a imagem do RadarBox, abaixo.

O atual editor do Nexta, Tadeusz Giczan, usou sua conta no Twitter para publicar sua versão dos fatos. Segundo ele, que alega ter contatado pessoas que estavam no voo, “agentes disfarçados seguiam Protasevich no aeroporto e o fotografavam. Essas mesmas pessoas teriam iniciado uma confusão a bordo, alegando que havia explosivos na aeronave, obrigado a aeronave a enviar um pedido de SOS”.

Ainda que seja verdadeira a história, o desvio para Minsk segue desafiando a lógica, já que a capital bielorrussa estava ao triplo de distância do que Vilnius, destino final do voo. Nesse caso, Giczan comenta que a aeronave teria sido escoltada até Minsk por caças MiG-29 da Força Aérea local.

Essa história ainda está nebulosa, mas o que se sabe é que Roman Protasevich foi preso, de fato. A notícia tem ganhado repercussão mundial nesse domingo (23). Opositor do governo, Roman Protasevich não estava vivendo na Bielorrússia, onde enfrenta pena de morte por terrorismo.

Uma inspeção na aeronave verificou que não havia artefato nenhum a bordo. Não há informações sobre o que teria ocorrido com os agentes que, supostamente, iniciaram a confusão a bordo.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Comissário de voo aliciado por gangue vai preso por contrabandear heroína...

0
Após ser preso em 2019, o comissário de bordo se declarou culpado pelo crime de contrabando de drogas a bordo de voos para a Austrália.