Atingido por vários raios, Airbus A321 tem panes e volta à origem

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Imagem ilustrativa – Fonte: TeeFarm via pixabay

Um Airbus A321 precisou ser levado de volta ao aeroporto de origem na última sexta-feira, 16 de abril, ao apresentar panes após ser atingido por diversos raios pouco depois de ter decolado.

Segundo registro de incidente cadastrado no sistema da Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA), a aeronave envolvida foi o Airbus A321 registrado sob a matrícula N540UW, operado pela companhia aérea American Airlines.

Avião Airbus A321 American Airlines
Airbus A321 da American Airlines – Imagem: Alan Wilson / CC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons

O jato partia de Dallas (EUA) no voo de número AA-665 com destino a Charlotte (EUA) e, segundo a FAA, “experimentou a incidência de múltiplos raios” na fase de subida inicial.

Dados de rastreamento de radar mostram que o A321 havia decolado da pista 17R do aeroporto Ft. Worth há pouco mais de 5 minutos e estava quase atingindo 13 mil pés de altitude, quando sua subida foi interrompida e ele foi baixado até 10 mil pés.

O A321 retornando para 10 mil pés após o incidente – Imagem: RadarBox

Segundo informações obtidas pelo The Aviation Herald, o voo levava 170 pessoas a bordo e teve panes de radar meteorológico e de motor após receber os raios. Conforme relatos, o radar teria sido desativado pelas descargas, e o motor esquerdo, deligado por cerca de 30 segundos, sendo posteriormente religado com sucesso.

Os pilotos ainda levaram a aeronave por uma longa trajetória até retornarem para a aproximação de volta ao aeroporto de Dallas, possivelmente para desviar das condições meteorológicas degradadas na região.

O pouso ocorreu de forma segura pela pista 17R cerca de uma hora depois da decolagem.

Embora neste incidente a aeronave tenha sofrido tais panes, não é comum que a incidência de raios afete sistemas da aeronave. Na maior parte das vezes, os chamados “lightining strikes” não são nem percebidos, sendo descobertos apenas posteriormente através de inspeção, que identifica sinais de entrada e de saída do raio por diferentes partes da aeronave.

Isso porque aviões são projetados para que conduzam externamente a descarga elétrica desde os pontos de entrada até os de saída, sem riscos para as pessoas em seu interior. Entretanto, em casos de um raio muito intenso, ou de múltiplos raios como neste, a intensidade da descarga pode acabar por causar algum efeito em certos sistemas elétricos e eletrônicos, mas ainda assim, sem riscos graves à segurança de voo.

O Airbus A321 de ocorrência ainda permanecia em solo em Dallas Ft. Worth no momento da publicação desta matéria, em 22 de abril de 2021, possivelmente passando por inspeções detalhadas de seus sistemas em busca de danos que possam ter surgido em decorrência do incidente, conforme definem os procedimentos dos manuais de manutenção.

Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e Pós-Graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias