Avião Boeing 747-8 produzido há 11 anos e renegado vai finalmente ter emprego digno

Apesar de ter sido o segundo avião do modelo 747-8I produzido para entrega a um cliente, ele nunca chegou ao seu dono original, a Lufthansa. Ao invés disso, ficou por mais de uma década estacionado até que encontrasse seu destino.

Até hoje não se sabe o por quê de a empresa alemã ter desistido do avião de série 1435, que agora terá um “emprego digno” no governo do Egito. Nesta semana, a aeronave voou para a Irlanda, onde será pintada. Uma foto de sua chegada foi registrada pelo fotógrafo Donal Morrissey, e compartilhada em seu Twitter (abaixo, esperar carregamento).

O histórico

Por motivos nunca claramente indicados, a Lufthansa recebeu apenas 19 Jumbos 747-8I de uma encomenda original de vinte. Esse jato em questão voaria com a matrícula D-ABYE, mas isso jamais ocorreu. Como resultado, o avião produzido em 2011 voltou às mãos da Boeing, onde ganhou brevemente a identificação de testes N6067U e depois N828BA, em 2014, quando foi armazenado.

Apenas em 2021 é que o jato passou a figurar como vendido a um cliente, cuja identidade não foi revelada. A descoberta de seu destino somente foi possível algum tempo depois, quando fotógrafos registraram a aeronave ainda nos EUA, mas já com a matrícula egípcia SU-EGY.

O jato de 11,3 anos de vida passou por diferentes locais de armazenagem, como Marana Pinal Airpark, San Antonio Lack Land AFB e Victorville Southern California, voltando depois ao Paine Field para os preparativos de entrega. As modificações de cabine, por sua vez, foram realizadas no aeroporto de Hamburgo por quase 10 meses, antes de ser transportado para Shannon.

Espera-se que, em poucos dias, a aeronave receba sua nova pintura e seja trasladada ao Egito. O governo do país africano, por sua vez, possui atualmente um Airbus A340-200 de quase 29 anos, usado para seus deslocamentos de longa distância, que deve ser substituído pelo jato mais moderno.

Foto por Mulag, CC BY-SA 3.0, via Wikimedia

Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Latam ajusta malha de voos internacionais saindo da Colômbia e do...

0
Assim como a subsidiária brasileira, as operações da Latam na Colômbia e no Peru também passam por ajustes nas suas malhas de voos