Com ataque da Rússia à Ucrânia, site de voos online não suporta sobrecarga de usuários

Voo de drone militar dos Estados Unidos sobre a Ucrânia nesta manhã de quinta-feira – Imagem: FlightRadar24

Ao longo desta noite de quarta-feira para quinta-feira, 23 para 24 de fevereiro, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, seguiu adiante com seus planos de atacar a Ucrânia, e o interesse de pessoas do mundo todo por acompanhar o que acontece no espaço aéreo da região levou a uma sobrecarga de usuários na internet.

Conforme repercutem as mídias jornalísticas por todo o mundo, enquanto intensos bombardeios aéreos e invasões por solo aconteciam, o líder da Rússia fazia um pronunciamento oficial afirmando que decidiu “conduzir sua operação militar especial para proteger todas as pessoas que foram intimidadas e subjugadas ao genocídio do regime de Kiev por oito anos”. O governante também ameaçou retaliar qualquer tentativa de intervenção de terceiros em sua operação.

Pouco antes, tanto a Rússia quanto a Ucrânia, assim como o controle de espaço aéreo europeu (Eurocontrol), já haviam emitido alertas para que todas as aeronaves civis se mantivessem afastadas do país devido ao iminente início das atividades militares do ataque.

Como resultado, na internet uma enorme carga de usuários passou a acessar as plataformas de rastreamento online de voo, para acompanhar possíveis aeronaves militares que passariam a sobrevoar o espaço aéreo da Ucrânia, e a mais conhecida mundialmente, FlightRadar24, não resistiu à sobrecarga de acessos, ficando fora do ar.

Por volta do início da madrugada desta quinta-feira, a plataforma informava que “Devido a uma carga extremamente alta, alguns usuários podem encontrar lentidão ou problemas temporários de conexão ao acessar o Flightradar24. Nós estamos trabalhando agora na ampliação da performance disponível”.

Algumas horas depois, em nova atualização, a plataforma dizia que “Nós ainda estamos trabalhando duro no aumento de capacidade, mas o interesse internacional realmente grande está gerando de 10 a 20 vezes mais acessos do que o normal, o que é difícil de lidar”.

Imagens captadas no início desta manhã mostram que três voos militares na região da Ucrânia estavam com 25,4 mil, 25,2 mil e 18,8 mil visualizações simultaneamente, conforme se observa na imagem a seguir:

Captura de tela do FlightRadar24

O voo identificado como FORTE12, por exemplo, é o que ilustra esta matéria. Trata-se de uma aeronave não tripulada (drone) dos Estados Unidos que faz monitoramento aéreo a partir de altitudes superiores a 50 mil pés (acima da altitude comum dos voos civis).

De fato, estes números de acessos simultâneos são realmente altos, uma vez que, em condições normais, os voos não passam de poucos milhares de visualizações, exceto em uma ou outra operação especial que atinge, sozinha, um alto número de acessos.

A plataforma RadarBox, outra também bastante conhecida e popular mundo afora, não reportou problemas de sobrecarga de acessos até o momento.

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Confusão em voo da GOL após criança autista não poder viajar...

0
Uma situação complexa se desenrolou num voo da GOL, após uma criança com autismo não poder seguir viagem no colo de seu pai.