DUX Express entra com pedido para abrir empresa aérea no Brasil sob o RBAC 121

Imagem: DUX Express

A empresa aérea DUX Express, especializada em carga e com operação hoje centrada em duas aeronaves Cessna C208 Grand Caravan, planeja dar um passo maior, segundo informaram ao AEROIN fontes próximas da empresa. Para tanto, a companhia entrou com pedido junto à Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) para criar uma empresa aérea sob o RBAC 121. Atualmente, a empresa opera sob o RBAC 135.

Para fins conceituais, deve-se entender que o RBAC nº 121 dispõe sobre “Operações de transporte aéreo público com aviões com configuração máxima certificada de assentos para passageiros de mais 19 assentos ou capacidade máxima de carga paga acima de 3.400 kg“. O RBAC nº 135 trata das “Operações de transporte aéreo público com aviões com configuração máxima certificada de assentos para passageiros de até 19 assentos e capacidade máxima de carga paga de até 3.400 kg (7.500 lb), ou helicópteros”.

Quando a certificação estiver concluída, a empresa poderá iniciar os trâmites de inclusão da aeronave que deseja operar, em suas especificações operativas.

Operação não-regular de cargas

Atualmente, a DUX Express, nome fantasia da Apollo Express Táxi Aéreo, realiza voos para a sua empresa-mãe, a DUX Logistics, que atua no mercado brasileiro de logística há muitos anos, tendo uma grande frota de caminhões e acordos com as principais companhias aéreas do mundo. Portanto, trata-se de uma empresa que já tem longa e variada experiência no transporte aéreo de cargas.

Em março deste ano, a Dux Logistics anunciou investimentos de R$ 130 milhões até o fim do ano, grande parte desses recursos destinados às operações aéreas da DUX Express. À época, a empresa prometeu investir R$ 100 milhões para as 10 novas aeronaves, hangar no Aeroporto Jundiaí a 30 minutos da capital paulista e treinamento dos colaboradores.  Os investimentos vão gerar 200 novos postos de trabalho. 

O foco do braço aéreo da DUX Logistics é o transporte aeronáutico, automotivo e voltado para o e-commerce. “Somos prestadores de serviços para empresas aéreas e agora temos uma companhia aérea dentro do grupo empresarial. Nosso foco é a carga premium, de alto valor agregado”, resumiu à época o CEO, Raphael Rossi.

Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Assa a pizza: ITA Airways pode ficar parcialmente na mão da...

0
O governo italiano está investigando novas possibilidades de venda da ITA Airways, que poderia envolver a Lufthansa e a companhia