Família recebe US$ 3 milhões após júri entender que a Alaska Airlines matou sua avó

Receba essa e outras notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram.

Câmeras flagram momento em que a idosa cai da escada rolante

Um júri deu um veredicto de uma indenização de US$ 3,19 milhões a favor da família de Bernice Kekona. A passageira idosa e com deficiência sofreu ferimentos fatais ao cair de uma escada rolante enquanto estava em sua cadeira de rodas, depois que a Alaska Airlines deixou de fornecer o transporte porta-a-porta que havia sido solicitado e confirmado cinco vezes para um voo de conexão em 2017.

O veredicto contra a Alaska foi entregue na segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021 no Tribunal Superior do Condado de King, reportou a Business Wire.

Falha de comunicação

“Bernice Kekona foi vítima de uma trágica falha da Alaska em fornecer serviços básicos entre seus voos”, disse Robert Gellatly, do escritório de advocacia Luvera, que representou a família Kekona. “A empresa falhou miseravelmente com Bernice, e a empresa tentou manipular o processo legal para culpar Bernice, fugir da responsabilidade e minar sua família em luto das formas mais dolorosas”.

O júri ficou do lado dos parentes de Kekona, de 75 anos, uma mulher amputada e deficiente, que estava viajando do Havaí para Spokane, e tinha assistência programada para transitar entre os portões do Aeroporto Internacional de Portland. 

Quando a escolta que sua família pediu não foi cumprida e Kekona ficou sozinha, devido a falhas de comunicação entre a Alaska e seu contratante, ela seguir viagem sozinha, caindo 21 degraus em uma escada rolante do aeroporto em sua cadeira de rodas – um incidente horrível capturado em vídeo de vigilância.

No hospital

Os ferimentos de Kekona incluíram traumas na cabeça e no peito e marcas de escada rolante no rosto, mas o mais significativo foi uma lesão no tendão de Aquiles que levou à infecção séptica. Depois de três meses de um doloroso e malsucedido processo de recuperação, os médicos finalmente amputaram sua outra perna e ela morreu no dia seguinte à cirurgia de uma infecção generalizada.

Alaska

O tribunal rejeitou uma ação anterior da Alaska para encerrar o caso. Ao longo dos procedimentos legais, a companhia aérea tentou colocar a culpa na própria Kekona, apesar do fato de os funcionários desconsiderarem os acordos com a família e os próprios protocolos de segurança da empresa ao permitir que um septuagenário com deficiência se aventurasse sozinho pelo aeroporto.

Em seu veredicto, o júri considerou a companhia aérea 90 por cento responsável pelos ferimentos que levaram à morte de Kekona.

“Nos últimos quatro anos, esta família em luto pediu transparência e responsabilidade para garantir que isso não aconteça com outro passageiro vulnerável”, disse Gellatly. “Admiramos a bravura desta família em continuar a lutar em memória da Sra. Kekona e agradecemos ao júri por seu tempo e consideração em responsabilizar a Alaska em nome da segurança dos passageiros”.

Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Jatinho de Elon Musk foi filmado em decolagem de alta performance...

0
A rápida visita do bilionário Elon Musk, o empresário por trás da Tesla e SpaceX, foi acompanhada até na decolagem, de alta performance.