Governo espanhol pressiona Iberia e Air Europa para concluir acordo de fusão

O governo espanhol encorajou a Air Europa e a Iberia a chegar a um acordo e concluir as negociações sobre a venda da companhia aérea Globalia para a IAG, informaram fontes próximas ao assunto ao jornal digital El Confidencial, que citou um a reunião entre membros sêniores do lado público das empresas privadas.

A reunião ocorreu mais de três anos após o anúncio do primeiro acordo que não teve sucesso por causa da pandemia. Durante o encontro, representantes do governo destacaram que a operação é considerada uma questão de estratégia nacional, bem como para o hub de Madri Barajas, pois ajudaria a impulsionar rotas atualmente controladas por concorrentes estrangeiros.

Os participantes da reunião pediram informações sobre o estado atual das negociações e as concessões que as partes estariam dispostas a fazer para chegar a um acordo até 31 de março, data limite estabelecida pela Globalia para negociar exclusivamente com a holding anglo-espanhola. Além disso, as autoridades espanholas ofereceram ajuda para supervisionar a operação, especialmente porque ela teria que obter o aval da Comissão Europeia para fins de concorrência.

Segundo El Confidencial, Juan José Hidalgo, presidente e fundador da Air Europa, continua a repetir em círculos privados que “nunca venderei a minha companhia aérea aos ingleses, muito menos pelo preço que me oferecem”. A oferta mais recente do IAG, datada de janeiro de 2021, é de 500 milhões de euros (US$ 540 milhões).

Tudo, no entanto, poderia acelerar após essa ação proativa do governo espanhol.

Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Avião Boeing 767-300 LATAM

Latam Airlines se vê em meio à disputa política entre governos...

0
A Argentina foi duramente criticada pelo Governo das Ilhas Falkland (Malvinas, para os argentinos) após acusações de que o governo de Alberto