Passageiros cansam de esperar e saem andando pelo pátio do aeroporto; caso é investigado

Nos aeroportos ao redor do mundo, existem regras de tráfego que asseguram a integridade de pessoas – passageiros e funcionários – e máquinas. Para tanto, há marcações no chão que indicam onde cada um pode ou não se andar ou movimentar. No entanto, uma cena chamou a atenção neste domingo, quando passageiros foram filmados andando livremente pelo pátio do aeroporto de Nova Délhi, na Índia, em flagrante desrespeito a essa regra.

Nas imagens, é possível ver o momento em que um número significativo de passageiros, desembarcados de um voo da SpiceJet proveniente de Hyderabad, na noite de sábado, 6, andou livremente no pátio do aeroporto, depois que a companhia aérea não conseguiu fornecer um ônibus por cerca de 45 minutos para levá-los ao terminal.

Como resultado, o regulador de aviação local, a Direção Geral de Aviação Civil (DGCA), está investigando o incidente, disseram fontes ao noticiário PTI no domingo. As imagens do caso estão abaixo. Na publicação, a usuária @nlasya do Twitter pergunta: “O quão frequente você isso acontecendo no T3?

O que disse a empresa

À mídia indiana, a SpiceJet disse que houve um breve atraso na chegada dos ônibus e que, assim que chegaram, todos os passageiros, incluindo aqueles que começaram a andar, voltaram neles da pista até o terminal.

“Apesar dos repetidos pedidos de nossa equipe, alguns passageiros começaram a caminhar em direção ao terminal. Mal tinham andado alguns metros quando chegaram os ônibus”, disse a nota.

A posição remota onde o avião havia parado era distante do terminal e, dali, os passageiros não estão autorizados a andar devido a questões de segurança. Existe um caminho demarcado no chão apenas para veículos, por isso, as companhias aéreas utilizam ônibus para levar passageiros do terminal à aeronave ou vice-versa, usando o trajeto demarcado.

Nos últimos dias, a SpiceJet tem enfrentado uma série de problemas com o regulador. Desconfiando das práticas de segurança da empresa, a Direção Geral de Aviação Civil (DGCA) ordenou a corte das operações da empresa pela metade. A medida está instaurada enquanto uma série de incidentes envolvendo as aeronaves da companhia são investigadas.

Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Além da Turquia, Chile também deve receber aeronave da FAB para...

0
Aeronave chegará equipada para o combate aos incêndios, com tripulação e equipe de campo, além de veículos, equipamentos e materiais