Um dos Boeings 747 mais especiais do mundo, SOFIA chega ao local de seu “repouso eterno”

Imagem: DSI

Em 12 de janeiro de 2023, o Boeing 747 SOFIA (sigla em inglês para Observatório Estratosférico para Astronomia Infravermelha) chegou à sua última residência permanente, o Pima Air & Space Museum em Tucson, Arizona.

O Instituto Alemão SOFIA (DSI) da Universidade de Stuttgart, responsável pela preparação e implementação da operação científica do SOFIA no lado alemão desde 2004, apoiará colegas da NASA e do Museu Pima na integração do equipamento à exposição permanente no local.

O observatório aéreo, instalado no Boeing 747SP de matrícula N747NA, decolou pela última vez em 13 de dezembro de 2022 para voar do NASA Armstrong Flight Research Center (AFRC), em Palmdale, para a Base Aérea de Davis-Monthan, em Tucson.

Depois das férias de Natal, o SOFIA foi rebocado pelo último quilômetro desde a Base Aérea até ao Museu Pima, parte em estradas de terra. Para o transporte, que demorou cerca de três horas, a estrada a atravessar foi brevemente bloqueada à circulação de automóveis.

Imagem: DSI

Depois que a agência espacial americana NASA e a Agência Espacial Alemã no DLR anunciaram, em 28 de abril de 2022, contra o conselho de cientistas alemães e americanos, que parariam de operar o SOFIA, o observatório fechou suas portas na noite de 28 para 29 de setembro de 2022, quando concluiu o último voo científico.

Em outubro de 2022, o SOFIA participou do Aerospace Valley Air Show na Edwards Air Force Base pela primeira – e infelizmente também pela última – vez.

O DSI então removeu vários componentes de hardware alemães do Boeing 747 em Palmdale no início de dezembro de 2022, como o espelho secundário do telescópio e o Focal Plane Imager plus (FPI+, a câmera principal do observatório) e os preparou para envio para a Alemanha.

Remoção do espelho secundário do telescópio – Imagem: DSI

Em Tucson, os colegas da DSI irão agora remover o espelho primário de 2,7 metros de diâmetro do telescópio, que será transferido para o German Optical Museum (DOM) em Jena, onde será o coração da nova exposição SOFIA no DOM.

O espectrômetro de imagem de infravermelho distante FIFI-LS (Field-Imaging Far-Infrared Line Spectrometer) da Universidade de Stuttgart também está sendo preparado para transporte de retorno a Stuttgart desde outubro de 2022. Ainda não foi decidido de que forma este instrumento especial será reaproveitado. Seus sensores, especialmente criados para detectar comprimentos de onda do infravermelho distante, devem ser preservados para possíveis futuras missões no infravermelho distante.

No final de agosto, em sua última campanha a bordo do SOFIA, o FIFI-LS mapeou o centro galáctico da nossa Via-Láctea, entre outras coisas. Com essas observações, os cientistas podem analisar com mais precisão as trajetórias do gás interestelar em seu caminho para o enorme buraco negro central da nossa Via-Láctea.

Todos os dados observacionais coletados pelo SOFIA vão para o Infrared Science Archive (IRSA) no Infrared Processing and Analysis Center (IPAC) em Pasadena, Califórnia, para que os pesquisadores possam continuar a obter inúmeros insights científicos no futuro.

Nos próximos meses, o DSI planeja construir um arquivo espelhado em um servidor alemão, o que permitirá melhorias adicionais no processamento de dados ao longo dos próximos anos, para que astrônomos da Alemanha e do mundo possam usar e tornar ainda melhor o legado que o SOFIA deixa para seus trabalhos científicos.

“Sem nenhum outro observatório infravermelho distante planejado em qualquer lugar do mundo em um futuro próximo, o valor de cada fóton infravermelho já medido aumentou significativamente para os astrônomos. Isso torna ainda mais importante preparar os dados coletados pelo SOFIA da melhor maneira possível e disponibilizá-los para a ciência de maneira facilmente pesquisável”, diz Bernhard Schulz, vice-diretor de operações da missão científica SOFIA no DSI. “Acho que haverá muito mais publicações do SOFIA mostrando que o término do projeto foi prematuro e injustificado.”

Ainda sem compreensão e com tristeza pelo fim prematuro da missão, a equipe DSI lembra que a operação do SOFIA foi originalmente planejada para 20 anos, mas foi descontinuada após 8,5 anos sem a avaliação científica usual.

O telescópio no interior do Boeing 747 – Imagem: Embaixada da Alemanha no Chile

O telescópio mantido e continuamente desenvolvido pela DSI, a principal contribuição alemã para o observatório SOFIA, funcionou quase perfeitamente durante o tempo de funcionamento do SOFIA.

“Nos anos de 2017 a 2020, apenas quatro voos científicos foram cancelados devido a problemas técnicos do telescópio. Isso corresponde a menos de 1% dos voos operados. As causas da falha podiam ser todas corrigidas em um dia”, disse Schulz.

Muitas missões científicas, como observar a ocultação de Plutão em junho de 2015 ou procurar vestígios de água na superfície da lua, só foram possíveis com o apoio ativo da equipe DSI. Sem falar nas atribuições de pesquisa no hemisfério sul – principalmente em Christchurch, Nova Zelândia (2013, 2015 a 2019 e 2022), mas também na Polinésia Francesa (verão de 2021) e no Chile (março de 2022).

Mesmo durante as restrições causadas pela pandemia de corona, a equipe DSI mostrou 100% de comprometimento em condições extremas e, por exemplo, em fevereiro e março de 2021, ajudou a preparar a campanha de observação de seis semanas de Colônia e a apoiou no local.

Durante as duas visitas do SOFIA ao Aeroporto de Stuttgart em setembro de 2011 e 2019, os colaboradores do DSI apresentaram esta aeronave especial e sua missão ao público e fizeram inúmeros relatos autênticos sobre os passeios pelo observatório voador.

Imagem: Marco Veit, via DSI

“Apesar dos desafios técnicos especiais de um observatório aéreo, o SOFIA foi um projeto extraordinariamente bem-sucedido com excelentes resultados científicos – especialmente para a comunidade astronômica alemã e a Universidade de Stuttgart”, finalizou Alfred Krabbe, chefe do DSI.

Informações do DSI

Murilo Basseto
Murilo Bassetohttp://aeroin.net
Formado em Engenharia Mecânica e com Pós-Graduação em Engenharia de Manutenção Aeronáutica, possui mais de 6 anos de experiência na área controle técnico de manutenção aeronáutica.

Veja outras histórias

Pouso estranho visto da cabine levanta comentários de outros pilotos nas...

0
Uma aterrissagem incomum vista desde a cabine de um jato Airbus A320 está sendo compartilhada e comentada por pilotos nas mídias sociais