Com ideia de voos de luxo a preços baixos, RoadRunAir recebe primeiros jatos Embraer

Foto: RoadRunAir

No final do ano passado, o AEROIN repercutiu a notícia da criação da empresa aérea americana RoadRunAir, que operaria jatos Embraer ERJ-145 seguindo um modelo de negócios um tanto diferente. Segundo a companhia, seu objetivo é “atender a uma demanda inexplorada de voos com VIP a preços acessíveis para quase todos os viajantes”.

Para operar o negócio, a RoadRunAir obteve os Certificado de Operador Aéreo e adquiriu vários jatos. Cada avião terá 30 assentos VIP, todos eles com janela e corredor – na prática, um assento de cada lado, ao invés da configuração padrão 2-1 do Embraer ERJ-145.

Os três primeiros aviões já chegaram, eles têm marcas N832HK, N835HK e N836HK. Todos eles foram da American Eagle, antes de serem aposentados. Sua nova pintura, toda preta e com o nome da empresa em azul, certamente chamará a atenção pode onde passar.

O modelo de negócio

Os clientes viajarão nos jatos da RoadRunAir a partir de terminais privados para experimentar um tratamento VIP exclusivo. A ideia da empresa é realizar voos com paradas em vários destinos, onde os viajantes terão visitas guiadas e atividades de todos os tipos. Cada tour durará entre sete e nove dias, inicialmente nos EUA, mas com planos de também fazer rotas ao Caribe, num futuro próximo.

Inicialmente, a empresa oferece três itinerários domésticos nos EUA: os estados do sul (música americana e natureza visitando Nashville, Memphis, Nova Orleans, Chattanooga e Lynchburg), a costa oeste (San Francisco, Napa Valley, Bryce, Zion, Antelope Canyon, Sedona e Las Vegas) e nordeste dos EUA (incluindo as Cataratas do Niágara, Hershey, Amish e Washington DC). As vendas e o marketing estão focados na distribuição por meio de operadores turísticos e agentes de viagens.

Moti Engelman, cofundador e CEO comenta: “Já vimos muitas tentativas de organizar viagens com aviões particulares, mas os aviões eram menores e os preços muito mais altos. Sabíamos que isso poderia ser feito a um preço acessível a qualquer viajante se operássemos os aviões certos. Não é à toa que já estamos vendo a demanda de agentes de viagens, operadores turísticos e empresas de viagens”.

Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Argentina atende aos Estados Unidos, apreende e lacra o Boeing 747...

0
O polêmico Jumbo que ficou parado na Argentina após surgirem evidências de ligações com terroristas iranianos, foi oficialmente apreendido.