Companhia aérea deixa vazar a lista de terroristas do FBI após salvá-la num servidor público

Avião Embraer ERJ-145 CommutAir United Express
Imagem: CommutAir

A empresa aérea regional CommuteAir, dos Estados Unidos, se viu entre os assuntos da semana após deixar vazar a lista do FBI de pessoas banidas de aviões. O erro foi primário, pois alguém da companhia deixou o arquivo em um servidor público sem proteção, de acordo com um hacker suíço que descobriu os dados.

Horas depois, a CommuteAir disse que o servidor foi colocado offline. “O servidor continha dados de uma versão de 2019 da lista federal de exclusão aérea que incluía nomes e sobrenomes e datas de nascimento”, disse a companhia aérea ao Daily Dot em um comunicado.

“Além disso, algumas informações de voos e funcionários da CommuteAir estavam acessíveis. Enviamos uma notificação à Agência de Segurança Cibernética e Infraestrutura e continuamos com uma investigação completa”, finalizou a empresa, dizendo que nenhum dado de cliente foi vazado.

Em um comunicado, a Administração de Segurança de Transporte (TSA) disse que estava “investigando em coordenação com nossos parceiros federais”.

A lista do FBI

O governo americano não confirmou e nem negou se a lista é verdadeira, mas essa postura costuma ser praxe nesses casos, já que trata-se de documento sigiloso e qualquer pronunciamento a respeito pode atrapalhar sua própria finalidade, que é encontrar suspeitos ou levá-los para uma análise mais aprofundada antes do embarque.

Antes do 11 de setembro, apenas 16 pessoas eram listadas pelo governo federal, mas a lista aumentou rapidamente após a atrocidade terrorista. Em 2011, cerca de 16.000 nomes estavam na lista e, em 2013, esse número havia subido para 47.000 nomes. Atualmente, o número é desconhecido.

O hacker descobriu a lista enquanto vasculhava um servidor público administrado pela CommuteAir, com sede em Ohio e que presta serviços para a United Airlines. Segundo o hacker, havia mais de 1,5 milhão de nomes (incluindo grafias diferentes, pseudônimos, e outros).


Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Ao partir para entrega, último Boeing 747 da história volta para...

0
A aeronave permaneceu por cerca de 6 horas e 20 minutos no ar neste voo que marcou a última entrega de um Boeing 747 na história.