Embraer está prestes a divulgar um novo parceiro industrial para o KC-390 Millennium

Durante o segundo dia do Embraer Media Day 2022, evento organizado para a imprensa internacional, a fabricante brasileira informou sobre as perspectivas de seus produtos de defesa, e despertou particular interesse pelo anúncio de que está perto de fechar um acordo com um novo parceiro industrial para o KC-390.

O site parceiro Aviacionline esteve no evento e recebeu o briefing de Jackson Schneider, CEO da Embraer Defesa e Segurança, durante o qual foram discutidas as perspectivas para o futuro do KC-390.

Oportunidade na Holanda

Em primeiro lugar, o Schneider informou que o Millennium foi selecionado como finalista no programa de substituição da Royal Netherlands Air Force (RNLAF) para 4 antigos C-130Hs, no qual concorre com a Lockheed Martin, que oferece seu renomado C-130J Super Hércules.

Segundo a Embraer, eles se sentem otimistas com essa concorrência porque afirmam que, por um lado, têm um produto melhor; e, por outro, seria um negócio melhor para a Holanda, pois oferece um pacote maior de compensações tecnológicas e produção local de componentes para futuros pedidos de KC-390.

Para garantir a participação local de um possível contrato com a RNLAF, a Embraer assinou, em outubro de 2021, uma série de acordos de colaboração com a Fokker Techniek e a Fokker Services, que também permitiriam ampliar o alcance global dos produtos da fabricante brasileira, tanto em nos campos militar e comercial.

América Latina

Sobre a região, a Aviacionline perguntou sobre as possibilidades de a Argentina ingressar como futuro usuário do KC-390 Millennium, ao que Jackson Schneider comentou: “Há uma LOI assinada, mas entendemos que não é hora de a FAA (Força Aérea Argentina) transformá-la em ordens firmes”.

No entanto, acrescentou: “Estamos muito felizes com a FAdeA e pretendemos que a integração Brasil-Argentina cresça”, a respeito do trabalho realizado pela empresa aeroespacial argentina FAdeA, como subcontratada do programa.

Em relação à nova redução que a Força Aérea Brasileira (FAB) quer fazer do pedido do KC-390, por enquanto o compromisso formal com a Embraer está mantido para 22 unidades, já que a lei contratual permite que o Estado modifique 25% dos valores, para cima ou para baixo, sem necessidade de aprovação legislativa. Foi isso que permitiu à FAB acordar uma queda de 6 unidades para as 28 originalmente contratadas.

Para que a FAB pudesse alterar o contrato e reduzir a aquisição das atuais 22 unidades pactuadas para apenas 15, a modificação da licitação original teria que ser aprovada pelo Congresso.

Parceiro X

A Embraer admite estar em negociações avançadas com um parceiro industrial para ampliar o escopo de seu principal produto, o KC-390 Millennium. “Pensamos em associações estratégicas que abrem mercados para nós”, disse Jackson.

Por enquanto, a empresa brasileira não está pronta para revelar quem é esse parceiro misterioso, mas o fará em breve.

Poderia ser um fabricante americano como Northrop Grumman? Ou talvez a relação Boeing/Embraer possa ter uma segunda chance. Outra opção que abriria o mercado da Ásia/Pacífico para a Embraer poderia ser a Korea Aerospace Industries (KAI). A gigante asiática planeja se tornar a empresa aeroespacial mais importante da Ásia e, para isso, está promovendo uma campanha comercial agressiva para seus produtos, tanto no mercado local quanto no internacional.

Em meados do ano passado, a KAI apresentou seu conceito para um avião de transporte militar médio, que por coincidência (ou não), estaria na mesma categoria e possui um design muito semelhante ao do KC-390 da Embraer.

Enquanto a revelação não vem, começam as especulações.

Carlos Ferreira
Carlos Ferreira
Managing Director - MBA em Finanças pela FGV-SP, estudioso de temas relacionados com a aviação e marketing aeronáutico há duas décadas. Grande vivência internacional e larga experiência em Data Analytics.

Veja outras histórias

Companhia aérea russa vai mandar embora 200 pilotos, mas só os...

0
Com o advento das sanções ocidentais sobre a Rússia, após a invasão da Ucrânia, a aviação do país liderado por Vladimir Putin