Funcionário andou sozinho em direção a jato Embraer antes de ser sugado pelo motor

A vítima fatal de um acidente nos EUA teria andado deliberadamente até o motor do jato Embraer E175, que o sugou e causou a sua morte.

O trágico acidente aconteceu no último dia de 2022, quando um carregador de bagagens de uma empresa terceirizada da American Airlines foi sugado por um motor GE CF-34 de um Embraer E175. O trabalhador acabou morrendo no local, em Montgomery, no Alabama.

Após o caso, uma investigação foi aberta pelo Bureau de Segurança dos Transportes dos EUA (NTSB), que divulgou ontem os primeiros dados apurados. As informações preliminares dão conta de que o jato E175 tinha acabado de pousar no aeroporto e, ao chegar a sua posição de parada, não desligou os motores, já que o APU estava inoperante.

O APU é um motor auxiliar, que serve para dar partida elétrica na aeronave, acionar os motores e deixar o ar-condicionado ligado. Sem ele, é necessário que fontes alternativas de energia forneçam o que o avião precisa para se manter.

Antes dos mecânicos se aproximarem e conectarem o cabo de energia na aeronave, o funcionário se aproximou e foi alertado por um colega de solo sobre o perigo. Mas, momentos depois, continuou andando em frente ao motor, até ser sugado, segundo revela a Associated Press.

Um outro funcionário, que estava no outro lado da aeronave chegou, inclusive, a se afastar do avião após o piloto sinalizar para ele na janela sobre os motores em funcionamento. A principal indicação, além do próprio som e movimento do motor girando, é uma luz vermelha piscante chamada beacon, que segundo a NTSB estava funcionando normalmente e ligada na hora do acidente. Até ela ser desligada, nenhuma pessoa pode se aproximar da aeronave.

A investigação ainda será aprofundada e não tem uma data definida para divulgação do relatório final, que apontará causas prováveis para o acidente e possíveis medidas corretivas para que ele não se repita.

Carlos Martins
Carlos Martins
Fascinado por aviões desde 1999, se formou em Aeronáutica estudando na Cal State Long Beach e Western Michigan University. Atualmente é Editor-Chefe no AEROIN, Piloto de Avião, membro da AOPA, com passagem pela Avianca Brasil. #GoBroncos #GoBeach #2A

Veja outras histórias

DECEA registra cerca de 310.000 operações não tripuladas com drones em...

0
O ano de 2022 somou mais de 310.000 operações não tripuladas, o que demonstra o desenvolvimento acelerado desse novo modal aéreo.