Sanções a seguradoras afasta companhias asiáticas da Rússia

Azerbaijan Airlines deixou de voar para a Rússia depois que seguradoras romperam coberturas

A aviação enfrenta cada vez mais dificuldades na Rússia, após a decisão do país de invadir a Ucrânia e começar uma guerra que preocupa o mundo. Depois de empresas da Europa, Estados Unidos e Canadá deixarem de pousar em aeroportos russos, agora são as companhias asiáticas que começam a deixar o país de Vladimir Putin após diversas empresas de seguros cancelarem contratos em meio ao conflito.

Nos dias anteriores à invasão, seguradoras de todo o mundo pararam de conceder algumas coberturas cruciais para empresas com operações na Ucrânia e na Rússia. De acordo com os parceiros do Aviacionline, essa decisão ameaça as aeronaves, que correm o risco de ações governamentais indesejadas, como guerras, expropriações e vendas forçadas de ativos.

O medo de expropriações, especificamente, cresceu muito desde que a Rússia começou a nacionalizar as aeronaves ocidentais pertencentes a vários arrendadores. As companhias Azerbaijan Airlines e Buta Airways, ambas sediadas em Baku, Azerbaijão, já suspenderam operações em território russo.

Na última sexta-feira,  11 de março, sexta-feira, também tomaram a mesma decisão a Air Astana, sediada no Cazaquistão, e a Pegasus, principal low cost da Turquia. Ambas manterão, em princípio, as suas operações suspensas até ao final de março.

As companhias também relatam dificuldades no abastecimento de aeronaves em alguns aeroportos russos. No dia 8 de março, a gigante petrolífera Shell anunciou a saída do mercado de hidrocarbonetos na Rússia, o que significa a interrupção imediata do fornecimento de combustíveis de aviação e lubrificantes em diversos terminais onde antes era a principal fornecedora.

Fabio Farias
Fabio Farias
Jornalista e curioso por natureza. Passou um terço da vida entre aeroportos e aviões. Segue a aviação e é seguido por ela.

Veja outras histórias

Ouça o momento em que o Capitão Neves é interceptado e...

0
Na gravação, nota-se que os pilotos do A-29 da Fumaça e a controladora de tráfego aéreo ainda fizeram uma brincadeira na comunicação.