Sai de cena o último A340-200 que ainda operava em uma companhia aérea

Airbus A340-200 da Conviasa – Imagem: José Luis Celada Euba, CC BY-NC-SA 2.0, via Flickr

No início de março, o Airbus A340-200 da companhia aérea Conviasa, registrado sob a matrícula YV1004, ainda estava realizado um voo regular entre Caracas e Moscou. Após este serviço, que teria sido seu derradeiro, a aeronave foi registrada pelas plataformas online de rastreamento cumprindo o voo V0-729, de Caracas para Teerã, em 16 de março.

Desde então, nenhum movimento foi registrado, colocado em dúvida o futuro do grande (e menor) jato quadrimotor da família A340.

O YV1004 é uma aeronave especial: trata-se do último Airbus A340-200 ainda estar serviço com uma companhia aérea – ou pelo menos estava até meados de março. Conforme o site alemão aeroTelegraph, a máquina com o número de série 031 pertence à frota da companhia aérea estatal venezuelana Conviasa desde 2007. Antes disso, o jato, construído em 1993, voou pela Air France, Air Tahiti Nui, Air Bourbon, Air Europa e, arrendado da Conviasa, também brevemente pela Iran Air.

Destino do jato ainda é incerto

Recentemente, uma foto do YV1004 no Aeroporto de Teerã tornou-se pública e mostra o jato já sem a maior parte da pintura. Apenas o leme e as pontas das asas ainda possuem o laranja da Conviasa e pelo menos um dos motores está parcialmente desmontado.

Ainda não está claro qual será o destino. Sem informações oficiais, a aeronave poderá ser sucateada ou então repintada e devolvida para alguma companhia aérea, podendo até ser a Conviasa.

Por outro lado, uma coisa é clara: atualmente não há mais Airbus A340-200 em serviço com uma companhia aérea. O fabricante construiu apenas 28 exemplares. De acordo com o serviço de dados aeronáuticos CH Aviation, apenas cinco ainda estão ativos: um com a Força Aérea Egípcia, um com a companhia aérea estatal Qatar Amiri Flight, dois com a frota VIP da Arábia Saudita e um com o governo líbio, o ex-Força Aérea Um do falecido ditador Muammar al-Gaddafi.

Leia mais:

Juliano Gianotto
Juliano Gianotto
Ativo no Plane Spotting e aficionado pelo mundo aeronáutico, com ênfase em aviação militar, atualmente trabalha no ramo de fotografia profissional.

Veja outras histórias

Marinha do Brasil recusa oferta saudita e afunda seu último porta-aviões

0
Apesar das preocupações de que o porta-aviões aposentado estava cheio de materiais tóxicos, o Brasil afundou uma nave desativada no oceano.